Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

economia

37,3% dos empresários do comércio estão com estoque acima do desejado

Índice passou de 27,9% em julho para 37,3% em agosto, maior desde 2011.

24 AGO 15 - 13h:11G1

A proporção de empresários da região metropolitana de São Paulo que notou o excesso de estoques nas prateleiras voltou a subir e passou de 27,9% em julho para 37,3% em agosto, o maior valor já registrado na série histórica, iniciada em junho de 2011. Segundo a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), quase 4 em cada 10 lojistas estão com mercadorias encalhadas. Já a proporção de empresários com estoques adequados caiu mais de 10 pontos porcentuais no mesmo período, de 57,9% para 47,6%.

Com isso, o indicador que mede o nível de adequação dos estoques recuou 17,6% no mês de agosto em relação a julho e atingiu 95,4 pontos, o menor valor já registrado pela série histórica. Na comparação com o ano passado, a queda foi de 11,3%.

O Índice de Estoques capta a percepção dos comerciantes sobre o volume de mercadorias estocadas nas lojas e varia de zero (inadequação total) a 200 pontos (adequação total). A marca dos cem pontos é o limite entre inadequação e adequação.

Em relação ao planejamento de compras com os fornecedores, a FecomercioSP afirma que o empresário deve seguir no rumo do conservadorismo, e, com isso, também se preparar ainda mais para enfrentar uma crise severa a longo prazo.

Para a FecomercioSP, "o pior momento da crise infelizmente ainda não passou. Não há perspectivas positivas a curto prazo e, enquanto não houver no horizonte um conjunto de políticas econômicas mais confiáveis e factíveis, a economia brasileira estará fadada a conviver com juros elevados, inflação acima da meta, eliminação de empregos e retração do nível de atividade".

Em linhas gerais, para o varejo, isso significa menor volume de vendas e forte aumento do volume de estoques indesejados, com crescimento da propensão a promoções, liquidações e queimas generalizadas de estoques, conforme se observa desde o início de 2015.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Carne sobe 86,31% e ajuda a puxar alta da cesta básica em Dourados
SEU BOLSO

Carne sobe 86% e puxa alta da cesta básica em Dourados

Brasil e Paraguai terão livre comércio de automóveis
MERCOSUL

Brasil e Paraguai terão livre comércio de automóveis

Inflação da Capital é a maior para novembro em quatro anos
IPCA

Inflação da Capital é a maior para novembro em quatro anos

ECONOMIA

Ministério da Agricultura diz que preço da carne caiu 9% desde início do mês

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião