SUSPEITA DE CARTEL

“Quando têm de reduzir, eles aumentam o preço”, diz Azambuja sobre donos de postos

Governador criticou aumento no preço do etanol, mesmo com imposto mais baixo
14/02/2020 14:25 - Eduardo Miranda, Izabela Jornada


Em reinauguração de escola estadual no Bairro Nova Lima, em Campo Grande, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) criticou os donos de postos de combustíveis, que não repassaram ao consumidor a queda de cinco pontos percentuais na alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre o etanol. “Eles fazem panfletos só elencando a alta da gasolina, mas quando têm de reduzir (o etanol), eles aumentam o preço”, afirmou o governador.

Azambuja afirmou que é necessário que os órgãos de controle, como o Ministério Público Estadual e a Superintendência de Defesa do Consumidor (Procon) estejam atentos. “São órgãos que controlam o abuso, o cartel existente”, afirmou. 

 
 

Na última quarta-feira (12), entrou em vigor lei do ano passado que elevou a alíquota do ICMS da gasolina de 25% para 30%, e reduziu a do etanol de 25% para 20%. No mesmo dia, o governo do Estado facilitou o desconto do ICMS na forma de crédito tributário às distribuidoras de combustível. O objetivo é facilitar a compra direta do combustível nas destilarias, e garantir a redução do imposto sobre o álcool anidro (produto que é misturado à gasolina).

Para Azambuja, chegou a hora de os órgãos de controle agirem. “Baixamos o imposto do diesel em cinco pontos percentuais, não chegou para o consumidor. Baixamos do álcool e não chegou para o consumidor”, queixou-se.

 
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".