Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

VEÍCULOS

Weg faz parceria para transformar motores de combustão em elétricos

29 SET 19 - 05h:00ESTADÃO CONTEÚDO

A fabricante de motores WEG fará uma parceria com a gaúcha FuelTech, especializada em injeção eletrônica de veículos, para converter motores de combustão em motores elétricos. A iniciativa será voltada a veículos de competição e passeio e kits com diversos níveis de potência devem ser vendidos para o cliente. Valores e data de lançamento não foram divulgados.

O processo de conversão elétrica faz com que automóveis movidos a diesel tenham peças substituídas e circulem com baterias recarregáveis, em vez de gasolina ou álcool. A vantagem é a redução de danos ao meio ambiente.

Companhias do setor automobilístico produzem carros inteiramente elétricos, mas os custos do automóvel e de manutenção estão muito acima dos modelos atuais. No entanto, a tendência é que esses veículos se tornem mais populares.

"Com o movimento da eletrificação, existe no Brasil um nicho a ser explorado", afirma Manfred Peter Johann, diretor superintendente da WEG Automação. A parceria não mudará o principal negócio da catarinense, que trabalha sobretudo com veículos pesados. Isso porque ainda é um aceno a um negócio ainda incipiente. "Esse mercado de conversão de automóveis pode surgir com o tempo", diz.

Anderson Frederico Dick, diretor geral da FuelTech, conta que a eletrificação deve ganhar relevância nos próximos anos. "A gente está diante da maior revolução da indústria automobilística e a gente vê como isso está impactando o mundo", diz.

A FuelTech ficará responsável pela montagem do equipamento nas mil oficinas mecânicas especializadas da empresa espalhadas pelo mundo. A WEG fará a produção dos inversores de sistemas auxiliares e do Powertrain, motor elétrico já utilizado em uma colaboração com ônibus e caminhões da Volkswagen e em aviões de pequeno porte monomotor da Embraer.

Para o professor de Engenharia Mecânica da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Marcelo Alves, a conversão tem maior potencial de crescimento no mercado de veículos de coleção, já que a substituição dos motores vale o custo-benefício para donos de modelos antigos que querem continuar circulando nas cidades.

"É um nicho de mercado que pode explodir, assim como foi a conversão de GNV (Gás Natural Veicular)", diz Fabio Delatore, professor de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia Industrial (FEI). Com poucas empresas no mercado, ele cita o sucesso da californiana EV West, que vende kits de conversão para modelos clássicos por preços de US$ 7 mil a US$ 16 mil, assim como peças avulsas dos mais variados valores e tipos. No Brasil, segundo ele, não há nenhuma solução do tipo até agora. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Teste da Triumph Tiger 1200 XCa
CORREIO VEÍCULOS

Teste da Triumph Tiger 1200 XCa

Destaques da Fenatran 2019
CORREIO VEÍCULOS

Destaques da Fenatran 2019

Nova visão do futuro: Toyota Mirai
CORREIO VEÍCULOS

Nova visão do futuro: Toyota Mirai

Cidade adentro: Iveco Daily 2020
CORREIO VEÍCULOS

Cidade adentro: Iveco Daily 2020

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião