Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TESTE

Versão HGT investe na estética esportiva para reforçar o carisma da linha Fiat Cronos

Versão HGT investe na estética esportiva para reforçar o carisma da linha Fiat Cronos
23/11/2019 10:00 - Luiz Humberto Monteiro Pereira Agência AutoMotrix


Ajuste de imagem

Versão HGT investe na estética esportiva para reforçar o carisma da linha Fiat Cronos

 

            O Fiat Cronos foi lançado em fevereiro do ano passado, mas ainda busca uma personalidade própria. Apesar do belo design italiano, o sedã compacto derivado do hatch Argo é apenas o trigésimo sétimo automóvel mais vendido do país, com 18.800 unidades emplacadas de janeiro a outubro. Em seu segmento, ficou atrás do Chevrolet Prisma/Onix Plus, do Ford Ka sedã, do Volkswagen Virtus, do Hyundai HB20S, do Volkswagen Voyage, do Toyota Yaris sedã e do Renaut Logan. Para tornar o Cronos mais atraente e competitivo, a principal novidade da linha 2020, apresentada em agosto, é a versão HGT. Apesar de o motor ser o velho conhecido 1.8 flex Etorq de 139 cavalos, um aspirado sem maiores pretensões dinâmicas, a estética esportiva é o forte da nova configuração. A expectativa do marketing da Fiat é que o visual ostensivamente dinâmico do Cronos HGT, cheio de adereços típicos dos modelos “envenenados”, reforce a percepção de esportividade e ajude a “puxar” as vendas de toda a linha do sedã. Não por acaso, a nova configuração topo de gama foi imediatamente promovida a protagonista das campanhas publicitárias do Cronos.

            A configuração HGT é mecanicamente baseada na Precision 1.8 AT. Além do motor 1.8 flex Etorq com potência de 139 cavalos a 5.750 rpm e torque de 19,3 a 3.750 rpm – o mesmo que, com adaptações, movimenta versões da picape Fiat Toro e do Jeep Renegade –, ambas partilham ainda o câmbio automático de 6 velocidades. Diferentemente do Argo HGT, que traz um ajuste mais firme de direção e suspensão, o sedã não recebeu qualquer modificação. De acordo com a Fiat, os compradores de sedãs preferem priorizar o conforto e não apreciam suspensões mais rígidas, mesmo que possam significar uma melhor performance dinâmica. Como a própria marca italiana admite, o apelo da versão HGT do Cronos é puramente visual.

            Assim, as diferenças entre as configurações Precision e HGT se limitam aos detalhes estéticos – como se a HGT fosse uma Precision com “tunning” de fábrica. No caso do sedã, o estilo ficou ainda mais agressivo que no Argo HGT, principalmente por conta do nada discreto aerofólio preto brilhante ostentado na tampa do porta-malas, exclusivo da versão com bagageiro protuberante. As molduras em black piano na grade e tomada de ar inferior que tomam o lugar dos habituais apliques cromados, os emblemas da Fiat escurecidos, as capas dos espelhos em preto e as estilosas rodas negras de 17 polegadas, calçadas com pneus Pirelli Cinturato de perfil baixo (205/45), deixaram o sedã com um jeito mais “malvado”.

            A cabine é basicamente a mesma da Precision, mas com forração preta no teto. E os emblemas internos da Fiat também trocam o vermelho pelo preto. Como ocorre na Precision, o ponto alto do Cronos HGT são os itens de série. Lá estão o ar-condicionado automático digital, a tela multimídia de sete polegadas com Android Auto e Apple CarPlay, o sistema de monitoramento de pressão dos pneus, os controles eletrônicos de estabilidade e de tração, o assistente de partida em rampa, a direção elétrica, o alarme, o computador de bordo e vidros, travas e retrovisores elétricos.

            O Cronos HGT custa R$ 78.490, apenas R$ 3 mil a mais que a versão Precision. No entanto, os opcionais disponíveis são muitos: teto preto (R$ 500), bancos de “couro ecológico” (R$ 1.500), câmera de ré (R$ 700), airbags laterais (R$ 2.500) e pacote composto por partida sem chave, retrovisor com rebatimento elétrico e iluminação periférica, sensores de chuva e crepuscular e retrovisor eletrocrômico (R$ 2 mil). Com todos os opcionais, inclusive pintura perolizada, o preço ultrapassa os R$ 88 mil. Se a proposta é tornar o Cronos mais competitivo e ganhar vendas, incluir de série ao menos uma parte do que é oferecido como opcional talvez seja uma boa ideia.

 

Experiência a bordo

 

Sem excessos

            A esportividade ostensiva do exterior o Cronos HGT é bem atenuada no interior. As forrações do teto e das colunas e a faixa central do painel são em preto – no Argo HGT, a faixa é vermelha. De resto, o padrão é similar ao do Cronos Precision. Os revestimentos são simples, contudo o interior do sedã transmite sensação de qualidade em virtude dos padrões de textura modernos e de bom-gosto. Além disso, a montagem é caprichada. A central multimídia de 7 polegadas sensível ao toque, que mais parece um tablet, é compatível com plataformas Android Auto e Apple CarPlay e tem uso bem intuitivo. Há conectividade via Bluetooth e sistema de reconhecimento de voz.

            O aproveitamento de espaço no Cronos é bom. Embora a posição de dirigir seja um pouco mais elevada do que o normal nos sedãs, é fácil de se achar uma posição agradável, pois a coluna de direção é regulável em altura e em distância. O entre-eixos de 2,52 metros é o mesmo do Argo e o espaço interno no banco traseiro não é ruim para pernas e cabeças. Um quinto ocupante evidencia a pequena largura do assento, entretanto, tem direito a cinto de três pontos e encosto de cabeça. O porta-malas é um destaque do Cronos. Com 525 litros de capacidade, supera alguns sedãs médios. O acesso é fácil graças à tampa com 97 graus de ângulo de abertura. E, como o banco traseiro é bipartido, ainda permite ampliá-lo em diferentes configurações.

 

Impressões ao dirigir

A aparência e a essência

            Há seis meses, a Fiat anunciou um grande investimento na fábrica mineira de Betim para produzir motores turbo da família Firefly. A previsão é de que o 1.0 tricilíndrico e o 1.3 de quatro cilindros sejam turbinados a partir do início de 2021. Até lá, cabe ao veterano 1.8 flex Etorq do Cronos HGT a tarefa de dar esportividade à linha Argo/Cronos. O motor não é fraco e dá conta do recado, mas não entrega uma performance que possa ser classificada como empolgante. Os 139 cavalos de potência e 19,3 kgfm de torque são convincentes e dão desenvoltura ao modelo. No entanto, o torque máximo só aparece em 3.750 rotações – um modelo turbo como o Volkswagen Virtus oferece um torque pouco maior, de 20,4 kgfm, contudo já disponível já em duas mil rotações, o que colabora nas acelerações e nas retomadas.

            O câmbio automático de 6 marchas quase sempre faz trocas rápidas, porém as mudanças parecem estar ajustadas para ajudar no consumo. Mesmo quando o motorista abusa do pedal da direita, a aceleração é progressiva – um nível de “civilidade” inusitado em um sedã de aspecto tão esportivo. Não há sequer um modo Sport na transmissão para fazer o “powertrain” render mais. Ao menos as borboletas no volante permitem ao motorista controlar as trocas das marchas para tentar obter uma performance mais dinâmica. Já no trânsito urbano, o sistema start/stop dá sua contribuição para reduzir o consumo ao desligar o motor quando o motorista para. Assim que solta o freio, o motor religa de forma elegante, sem trepidações.

            Se a Fiat não levou para o sedã a suspensão com acerto esportivo, com molas, amortecedores e barra estabilizadora específicos adotados no Argo HGT, os pneus mais largos e baixos ajudam a ganhar aderência, sem comprometer tanto o conforto. Como o acerto de suspensão do Cronos já era interessante, com um correto equilíbrio entre conforto e estabilidade, foi otimizado pelos pneus. A versão esteticamente esportiva do sedã da Fiat encara bem as curvas rápidas. O controle eletrônico de estabilidade, que é de série, ajuda a manter o carro “na mão” – mesmo quando o motorista se deixa levar pelo visual dinamicamente inspirador do Cronos HGT e se empolga no acelerador.

 

Ficha Técnica

Fiat Cronos HGT

Motor: dianteiro, transversal, 4 cilindros em linha, 1.8, 16V, injeção eletrônica, flex

Potência: 139/135 cavalos a 5.750 rpm com etanol/gasolina

Torque: 19,3/18,8 kgfm a 3.750 rpm com etanol/gasolina

Câmbio: automático de 6 marchas, tração dianteira

Direção: elétrica

Suspensão: Independente McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira

Freios: discos ventilados na dianteira e tambores na traseira

Rodas e pneus: rodas de liga leve 6,5” x 17”; pneus 205/45 R17”

Dimensões: 4,36 metros de comprimento, 1,72 metro de largura, 1,51 metro de altura e 2,52 metros de entre-eixos

Tanque de combustível: 48 litros

Porta-malas: 525 litros

Peso: 1.271 kg

Preço base: R$ 78.490. Com todos os opcionais e em cor perolizada chega a R$ 88.040

Felpuda


As pré-candidaturas bizarras estão se espalhando nas redes sociais, nos perfis de quem acredita que esse tipo de “campanha eleitoral” poderá resultar em votos e até levar à conquista de uma vaga na Câmara Municipal de Campo Grande. Se antes isso era visto apenas no horário eleitoral na TV, agora está se espalhado como erva daninha nas redes. Como diria vovó: “Esse povo ainda se acha!” Afe!