Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

CORREIO VEÍCULOS

Testamos o Fiat Argo Trekking

Com estética aventureira e suspensão redimensionada, o compacto busca um atalho rumo às aspirações do consumidor

8 SET 19 - 00h:00LUIZ HUMBERTO MONTEIRO PEREIRA/Agência AutoMotrix

Para algumas marcas de automóveis, o crescente encantamento do consumidor brasileiro com os modelos que evocam a estética off-road é uma novidade. Não é o caso da Fiat. Há mais de duas décadas a marca italiana produz compactos aventureiros de sucesso, como o Palio Adventure, o Uno Way ou a Strada Trekking. O mais novo representante dessa “linhagem” é o Argo Trekking, lançado em maio. Além do design inspirado nos utilitários esportivos, a nova versão do hatch trouxe diferenciais que habilitam o modelo para trilhas leves – a suspensão foi reforçada e elevada e os pneus são do tipo “todo terreno”. São itens apreciados por quem roda nas ruas e estradas nacionais, às vezes tão abandonadas que lembram as trilhas dos rallies. 

Por fora, algo que que muda em relação às outras versões do Argo é a pintura bicolor – o preto domina o teto, as barras do teto, os retrovisores, a coluna central e o aerofólio traseiro, além de um aplique quadrado no alto do capô, que remete a alguns modelos da Jeep. Também são escurecidos os faróis com design em leds, as molduras das caixas de rodas e a parte inferior do para-choque traseiro. A logomarca da Fiat também recebe acabamento em cromo negro, assim como a ponteira de escapamento trapezoidal e as rodas aro 15 com calotas enegrecidas. Algumas logomarcas “Trekking” aparecem na parte de baixo das portas traseiras e na tampa do porta-malas – no teto, próximo ao para-brisa, surge apenas o desenho do logotipo de aspecto tribal, que lembra dois triângulos sobrepostos em tom laranja. Além das características estilísticas, a configuração Trekking do Argo se destaca pela suspensão elevada – tem quatro centímetros a mais que a da versão Drive e, com seus 21 centímetros, ostenta o maior vão livre da categoria. Novos amortecedores, molas reforçadas e pneus Scorpion 205/60R15 91H S-ATR WL com perfil mais alto e banda de rodagem para uso misto, projetados pela Pirelli especialmente para o modelo, tentam deixar essa versão mais apta a encarar trilhas, desde que não sejam muito radicais. 

Por dentro, o preto predomina. O tecido escuro dos bancos ressalta as costuras alaranjadas, a área central com textura quadriculada e o logotipo Trekking bordado. O sistema multimídia Uconnect de 7 polegadas touchscreen com Apple CarPlay e Android Auto se destaca no centro do painel. Opcionalmente, é possível incluir rodas de liga leve de aro 15 com cor negra e câmera de ré com linhas dinâmicas. Dois acessórios da Mopar são exclusivos da versão Trekking: as barras transversais de teto e o suporte para bicicleta. O suporte é apoiado nas barras transversais que, por sua vez, precisam das barras longitudinais – item de série específico da configuração aventureira do hatch.

Sob o capô do Argo Trekking está o mesmo motor Firefly 1.3 com potência de 109 cavalos e torque de 14,2 kgfm que move a versão Drive 1.3, acoplado a um câmbio manual de 5 velocidades – tudo indica que, futuramente, será oferecido um câmbio automático do tipo CVT para as versões 1.3 do modelo, mas a Fiat afirma que não há previsão de câmbio automático para essa versão. O preço de R$ 59.990 coloca o Argo Trekking em uma faixa competitiva em relação aos concorrentes Chevrolet Onix Activ, Hyundai HB20X, Renault Stepway e Ford Ka Freestyle. Não por acaso, os dois últimos foram reestilizados esse ano e os dois primeiros ganharão novas gerações ainda esse ano. Ninguém quer parecer velho perante os rivais numa disputa tão relevante quanto a dos compactos aventureiros.

Experiência a bordo

Rústico quase chique

O espaço interno satisfaz para o porte do no Fiat Argo Trekking. Quatro adultos acomodam-se sem dificuldades, graças aos bons vãos para a cabeça e as pernas de quem se senta no banco traseiro. Todos os ocupantes contam com cintos de três pontos e encosto de cabeça. Os bancos são revestidos em tecido escuro texturizado, com costuras em laranja e o logotipo da versão bordado no encosto. O interior usa e abusa do preto e apenas alguns detalhes no volante são em prata e as saídas de ar, cromadas.

O acabamento é um dos pontos altos do Fiat Argo e na versão Trekking não é diferente, com apliques cromados e diferentes texturas. Os plásticos são rígidos, mas a montagem é correta. Para um hatch compacto, o Argo Trekking está acima da média. O volante é regulável em altura, mas não em distância. De série, há alarme, ar-condicionado, central multimídia UConnect com tela “touch” de sete polegadas, conectividade com celulares e sistema de reconhecimento de voz, controle remoto na chave para travas, vidros e tampa do porta-malas, direção elétrica, retrovisores elétricos, faróis de neblina, sensor de obstáculos traseiro, volante multifuncional e computador de bordo.  

Impressões ao dirigir

Dinamicamente bem resolvido

Com seus 109 cavalos de potência e torque de 14,2 kgfm, o motor Firefly 1.3 de quatro cilindros move com agilidade a versão aventureira do Argo. Embora o torque máximo só apareça em 3.500 giros, a maior parte dele já está disponível nas baixas rotações, o que ajuda a dar agilidade às acelerações e retomadas de velocidade. O ganho de velocidade é consistente. A transmissão manual de 5 marchas tem bom escalonamento e consegue produzir eficientes retomadas e acelerações. O curso do pedal de embreagem é um tanto longo e o câmbio manual poderia ter engates mais precisos, mas o motorista logo se acostuma. A direção com assistência elétrica é precisa, funcionando de forma leve nas manobras de estacionamento e mais firme nas altas velocidades. 

Com seus 21 centímetros de vão livre, o maior atrativo do Fiat Argo Trekking é permitir ao motorista passar por lombadas, valetas e outros obstáculos urbanos sem precisar ter cuidado redobrado. Em termos de calibragem da suspensão, o ajuste mais firme ajuda a performance nas trilhas e não deixa a carroceria adernar tanto nas curvas, o que permite percorrer velozmente trechos sinuosos sem sustos. O Argo Trekking roda em pisos irregulares com consistência, sem comprometer o conforto e mantendo o bom comportamento dinâmico demonstrado no asfalto. A absorção de impactos pela suspensão funciona e o Argo Trekking transmite sensação de segurança mesmo em terrenos com baixa aderência. A ausência dos controles de estabilidade e tração é um ponto contra, embora esses dispositivos também não sejam oferecidos na maioria dos concorrentes – apenas o Ka Freestyle vem com eles. Mas certamente tornariam esse Argo com jeito de crossover ainda mais consistente e seguro.

Ficha técnica

Fiat Argo Trekking

Motor: Dianteiro, transversal, flex, 1.332 cm³, com quatro cilindros, de 70 mm de diâmetro e 86,5 mm de curso, e oito válvulas, com comando único

Potência: 101 cavalos (gasolina) a 6.000 rpm e 109 cavalos (etanol) a 6.250 rpm

Torque    13,7 kgfm (gasolina) e 14,2 kgfm (etanol) a 3.500 rpm

Transmissão: manual de cinco marchas, tração dianteira

Suspensão: McPherson na dianteira e eixo de torção na traseira

Rodas e pneus: Rodas de liga leve (opcionais) 6” x 15”; pneus 205/60 R15”

Freios: discos sólidos na dianteira e tambores na traseira, com ABS

Direção: assistida eletricamente, diâmetro de giro de 10,4 m

Dimensões: 3,99 metros de comprimento, 1,72 metro de largura, 2,52 metros de distância entre-eixos, 1,57 metro de altura

Peso: 1.130 kg

Vão livre do solo: 21 centímetros

Carga útil: 400 kg

Tanque de combustível: 48 litros

Porta-malas: 300 litros

Preço: R$ 59.990

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Coluna semanal com dicas <br>e novidades sobre motos
COLUNA MOTOMAIS

Coluna semanal com dicas e novidades sobre motos

Coluna semanal com dicas <br>e novidades sobre automóveis
COLUNA CARMAIS

Coluna semanal com dicas e novidades sobre automóveis

Novo HB20: ousado e renovado
CORREIO VEÍCULOS

Novo HB20: ousado
e renovado

C3 Picasso e Chery estão entre os carros mais desvalorizados no Brasil; Confira
EM 1 ANO

C3 Picasso e Chery estão entre os carros mais desvalorizados no Brasil

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião