Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Teste da Semana

Renault Captur ganhou
câmbio automático CVT

22 JUN 17 - 11h:02Leandro Gameiro

Lançado em fevereiro deste ano, o SUV Captur veio com duas versões:  o Zen 1.6 manual e o Intense 2.0 automático. 

Nesta semana, a Renault apresentou mais duas opções: Zen 1.6 X-Tronic CVT e o Intense 1.6 X-Tronic CVT.

Os modelos continuam os mesmos por fora e por dentro, mas agora com a opção do câmbio CVT nas motorizações 1.6 SCe. 

Esse motor possui 120 cv com Etanol e 16,2 kg de torque.

A transmissão X-Tronic CVT, utilizada pela Aliança Renault-Nissan em todo o mundo é,  segundo a montadora, o casamento do câmbio continuamente variável, que tem opções de seis marchas simuladas, com o motor 1.6, garantindo um rodar suave e silencioso em velocidade de cruzeiro. 

A versão Intense 2.0 continua com o câmbio 4 marchas, os mesmos dos irmãos Duster e Orach. Os valores ficaram assim: Zen 1.6 manual R$ 78.900; 

Zen1.6 X-Tronic R$ 84.900, com opções de multimídia com câmera de ré por R$ 2.500 e pintura Biton que acresce mais R$ 1.400.

O Intense 1.6 X-Tronic parte de R$ 88.400, com opções de bancos revestidos parcialmente em couro por R$ 1.500, seguindo da pintura Biton, que é o teto na cor preta, dando um aparência mais invocada para o SUV. Já a versão Intense 2.0 automático sai por R$ 91.900.

Impressões ao dirigir

Testamos a novidade da francesa Renault, o Captur X-Tronic 1.6, e essa versão promete mexer com seus concorrentes, o Jeep Renegade e o Honda HR-V. 

Fomos até o Rio de Janeiro e dirigimos o SUV, rodando cerca de 28 km, somente no perímetro urbano, pois não houve tempo para pegar a estrada. 

Realmente, o Captur com câmbio CVT roda muito macio e não se sente as trocas de marcha, confirmando o que foi afirmado pela montadora na apresentação. O sistema Media Nav, que é o multimídia da marca, funcionou perfeitamente, bem ágil e fácil de programar. Ponto negativo para o controlador de velocidade, pois para acionar fica no console central, o que é desconfortável para o motorista. Por mais que o conjunto tenha ficado bem acertado, de fato,  faltava era o câmbio CVT, pois o motor 1.6 de 120 cv no Etanol “sofre” um pouco para “empurrar” os 1.286 kg do SUV. Ele é um carro bem urbano, o design é inovador, muito moderno, arrojado, e o modelo que testamos possuía todos opcionais, como bancos parcialmente em couro e teto Biton. 

O Renault Captur é um veículo muito bacana, mas sempre vale a pena conferir os modelos similares dos concorrentes.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Teste da Triumph Tiger 1200 XCa
CORREIO VEÍCULOS

Teste da Triumph Tiger 1200 XCa

Destaques da Fenatran 2019
CORREIO VEÍCULOS

Destaques da Fenatran 2019

Nova visão do futuro: Toyota Mirai
CORREIO VEÍCULOS

Nova visão do futuro: Toyota Mirai

Cidade adentro: Iveco Daily 2020
CORREIO VEÍCULOS

Cidade adentro: Iveco Daily 2020

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião