PRÉ-VENDA AGORA

Range Rover Velar chegará ao Brasil <br>somente a partir de novembro

Range Rover Velar chegará ao Brasil <br>somente a partir de novembro
02/08/2017 07:48 - LEANDRO GAMEIRO


 

As primeiras unidades do luxuoso SUV Range Rover Velar chegaram hoje no mercado europeu. No Brasil, a pré-venda começou em maio e estará disponível a partir de novembro, inicialmente em 4 versões.

As primeiras versões a pronta-entrega que desembarcarão no mercado brasileiro são equipadas com motor 3.0 V6 Supercharged, de 380 cavalos, a gasolina, cujos preços iniciais partem de R$ 383.100 (R-Dynamic S); R$ 405.400 (R-Dynamic SE); R$ 445.500 (R-Dynamic HSE) e R$ 513.900 (First Edition, limitada a 20 unidades no Brasil). 

Futuramente, os clientes também poderão contar com outras duas opções de motores: 2.0 a gasolina de 250cv, partindo de R$ 291.000, e as com os motores 2.0 turbo Diesel de 180cv, partindo de R$ 311.000.

O SUV estará disponível com uma série de versões e pacotes, que variam a partir do motor escolhido pelo cliente. Cada versão terá preços configuráveis, graças a itens de série distintos para atender aos mais variados perfis de clientes, portanto, com diferentes prazos de entrega, a partir do pedido.

O modelo é o quarto membro da família Range Rover e chega para ficar posicionado entre o Range Rover Evoque e o Range Rover Sport.

O Range Rover Velar estará disponível no mercado brasileiro acompanhado do já conhecido sistema de transmissão ZF de oito velocidades, com opção para trocas sequenciais no volante. Veja mais detalhes desse modelo e outros veículos no Instagram do Correio Veículos.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".