CORREIO VEÍCULOS

Mercado de motocicletas – <br>Traduzindo os números

Honda mantém o predomínio nos segmentos de maior volume, mas outras marcas se destacam nas motocicletas com maior valor agregado
14/01/2020 08:12 - LUIZ HUMBERTO MONTEIRO PEREIRA/Agência AutoMotrix


 
Honda CG 160, lidera o mercado "city" (Foto: Divulgação)

Com o fechamento das vendas de dezembro, as marcas de motocicletas que atuam no Brasil comemoram os bons resultados de 2019. Pelos dados revelados pela Fenabrave, a federação nacional dos distribuidores de veículos automotores, o setor de duas rodas fechou o ano com 1.077.553 unidades emplacadas, um crescimento de 14,59% em comparação a 2018, quando foram vendidas 940.394 motocicletas. O resultado de 2019 foi expressivo, mas ainda está muito distante das 1.940.564 motocicletas emplacadas em 2011, que foi o melhor ano da história do setor no país. Mantendo sua longuíssima hegemonia no mercado brasileiro, a Honda deteve 79,18% das vendas nacionais no ano que acaba de terminar. Foi seguida à distância por Yamaha (14,03% das vendas), Haojue (1,13%), BMW (0,94%) e Shineray (0,89%). As outras dezesseis marcas que atuam no mercado nacional, segundo a Fenabrave, dividiram os restantes 3,83% das vendas. Entre os modelos mais vendidos, quem “deu as cartas” também foi da Honda. No ranking geral de emplacamentos de motocicletas, a marca japonesa monopolizou o “top five”, com os modelos CG 160, Biz, NXR 160 Bros, Pop 110i e CB 250F Twister.

Ainda segundo a Fenabrave, segmento de maior volume no mercado nacional é o das city – conhecidas também como street e desenhadas para utilização nas cidades, sem muitos acessórios e com lugar para garupa –, responsável por 40,50% das vendas nacionais de motocicletas. Na sequência vem o das scooter/cubs – de baixa cilindrada nas quais o piloto fica sentado, com escudo frontal para proteção contra o vento –, que representam 33,96% das motos vendidas no Brasil em 2019. E o terceiro segmento com maior procura é o das trail/fun – também denominadas como “on-off road”, para utilização tanto dentro quanto fora da estrada –, que somaram 20,64% das motos vendidas no país no ano passado. Juntos, os segmentos city, scooter/cub e trail/fun englobaram mais de 95% das vendas nacionais e é neles que o predomínio da Honda se evidencia mais.

Honda NXR 160 teve 122.353 emplacamentos (Foto: Divulgação)

Entre as city, a liderança isolada permanece com a CG 160, com 307.973 unidades vendidas em 2019, seguida de longe pela “colega de fábrica” CB 250F Twister, com 36.361 emplacamentos. A mesma situação se repete entre as scooters/cubs, no qual a Biz e suas 155.920 emplacadas em 2019 é seguida pela Pop 110i e suas 102.807 unidades. Entre as trail/fun, outra dobradinha da Honda, com a NXR 160 e seus 122.353 emplacamentos em 2019, seguida pela XRE 300 com 24.718 unidades. Nesses segmentos mais populares, a única outra marca que consegue uma participação relevante é a Yamaha, com o terceiro lugar entre as city, com 25.328 unidades vendidas da Fazer, e também entre as trail/fun, com as 24.570 vendas da XTZ150. Já nas scooter/cub, um dos segmentos que mais crescem no mercado brasileiro, os quatro modelos mais vendidos são da Honda – Biz, Pop 110i, PCX 150 e Elite 125 –, e a Yamaha aparece em quinto, com a NMax.

Yamaha MT03, se destaca entre as motos "naked" (Foto: Divulgação)

Todavia, o levantamento da Fenabrave também revela que, nos segmentos em que os volumes de vendas são menores mas as motocicletas têm maior valor agregado, outras marcas conseguem se destacar no mercado nacional. Nas motos naked, modelos urbanos de média cilindrada e que não têm carenagem, a liderança é da Yamaha MT03, com 7.214 unidades, seguida pela Honda CB 500, com 4.111 emplacamentos. Entre as maxtrail, que prometem versatilidade para qualquer terreno, a disputa foi liderada pela Triumph Tiger 800, com 2.837 unidades, acompanhada pela BMW F850 GS, com 2.134 emplacamentos. Na briga das esportivas, que esbanjam design aerodinâmico e alto desempenho no asfalto, a briga ficou entre as japonesas Yamaha YZF R3, com 1.477 vendas, à frente da Kawasaki Ninja 400, com 1.060 emplacamentos. As custom são motos estradeiras mais voltadas para o conforto, e entre elas a liderança foi compartilhada entre a Harley-Davidson Fat Bob e Kawasaki Vulcan, ambas com exatas 820 unidades anuais. Entretanto, no segmento das touring, que reúne modelos estradeiros com grande capacidade de carga e ideais para longas viagens, a Harley-Davidson dominou amplamente, com a Road Glide e suas 440 unidades vendidas, seguida de perto pela Ultra Limited, com 423 emplacamentos. Os dois modelos da marca norte-americana representaram mais de metade das 1.645 motos touring vendidas no Brasil em 2019.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".