Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

COLUNA MOTOMAIS

Coluna semanal com dicas <br>e novidades sobre motos

Coluna semanal com dicas <br>e novidades sobre motos
21/09/2019 12:00 - EDMUNDO DANTAS/Agência Automotrix


Parada certa
A Royal Enfield, marca indiana de motocicletas que é a mais antiga do mundo em produção contínua, começou a comercializar no Brasil o modelo Bullet 500 com disco de freio na roda traseira e sistema ABS em ambas, como equipamento original. A Bullet tem 500 cilindradas e injeção eletrônica e é fabricada desde 1932. O objetivo da marca é garantir a segurança dos pilotos e ocupantes das motocicletas e atender às normas estabelecidas recentemente pelo Contran. “A obrigatoriedade do ABS é um passo importante para salvar vidas, já que o sistema diminui e/ou evita riscos para os motociclistas em situações de emergência. A Royal Enfield sempre dispôs de produtos que oferecem segurança e, por isso, optou por inserir esses equipamentos de frenagem na Bullet. Além disso, vale ressaltar que a Himalayan chegou ao Brasil, em janeiro deste ano, já com ABS de fábrica. Para a Classic, desde o segundo semestre de 2018, as versões sem ABS estão sendo gradualmente substituídas por unidades com o sistema”, afirma Claudio Giusti, diretor geral da Royal Enfield Brasil. O preço sugerido para comercialização do modelo, sem frete, é de R$ 19.990, nas concessionárias oficiais da marca em São Paulo, Brasília, Curitiba e Campinas.

Melhor e mais malvada
A Indian Motorcycle, a primeira empresa de motocicletas da América, anunciou novos recursos na sua linha 2020 nos Estados Unidos. Pela primeira vez, a Indian oferecerá o motor Thunder Stroke em uma variação de 1901 cc. O novo motor V-Twin refrigerado a ar apresenta um novo cabeçote de cilindro de alto fluxo e agora será padrão na maioria da linha de motocicletas da marca, incluindo a Springfield Dark Horse, a Chief, a Chief Dark Horse, a Chief Limited, a Chief Elite, a Roadmaster Elite, a Roadmaster e a Roadmaster Dark Horse. “O motociclista de hoje quer mais potência e espera uma tecnologia de ponta, tudo em um visual moderno, resistente e agressivo. É exatamente isso que estamos entregando”, explica Reid Wilson, vice-presidente da Indian Motorcycle. A Chief Dark Horse e a Chief Vintage agora compartilharão o mesmo chassi que a Springfield e a Springfield Dark Horse. O resultado é um manuseio aprimorado e uma suspensão traseira ajustável para os dois modelos Chief. E a Chief Dark Horse virá de fábrica com uma roda dianteira de 17 polegadas, para proporcionar maior estabilidade. A marca norte-americana deixou o mercado brasileiro em junho do ano passado.

Ninja de entrada
A linha 2020 da Kawasaki Ninja ZX-10R ganhou uma nova configuração. A versão Standard estará disponível para venda no Brasil ainda em setembro, por preços que partem de R$ 73.990 e vão até R$ 75.990. Um valor expressivamente menor do que os R$ 95.990 cobrados pela nova Ninja ZX-10R SE, apresentada no Festival Duas Rodas. A versão traz a mesma atualização do motor de 1.000 cc mostrada na SE, com novo sistema de ação das válvulas. Com isso, a potência subiu de 210 cavalos para 213 cavalos a 13.500 rpm. Já o torque aumentou sutilmente (de 11,6 kgfm para 11,7 kgfm), mas aparece mais cedo – em 11.200 giros, ante 11.500 giros da linha 2019. A Ninja ZX-10R Standard é equipada com controle de largada, controle de tração e quick-shifter bidirecional. Os freios são Brembo, o garfo dianteiro foi desenvolvido em conjunto com a Showa no Mundial de Superbike e são três modos de potência - Full com 100%, Middle com 80% e Low com 60% da força disponível.

Para dez sortudos afortunados
A Aprilia confirmou o início das entregas da RSV4 X, edição especial criada para homenagear os dez anos do lançamento da RSV4. Baseada na RSV4 1100 Factory e também exclusiva para o uso em pistas, a RSV4 X foi apresentada no início do ano e as dez unidades disponíveis foram vendidas por 39.900 euros. Os compradores também poderão visitar a divisão de competições da Aprilia em Noale, na Itália. Com ajustes especiais no motor, o V4 de 1.100 cm³ pulou dos 220 cavalos da 1100 Factory para 228 cavalos. O peso caiu de 177 quilos para 165 quilos graças ao uso de fibra de carbono na carenagem e de componentes de alumínio. Os freios são da Brembo com pinças GP4-MS.

Felpuda


A continuar disparando tantas críticas ácidas contradizendo o seu partido, que em nível nacional ganhou até um ministério, político cá dessas bandas poderá ser colocado de escanteio e, se continuar nessa cruzada nada palatável para as lideranças, ser convidado gentilmente a “procurar o caminhão do qual caiu”, como se diz no popular. Os comentários são de que o dito-cujo age assim mais para ganhar holofotes. Esqueceu-se, pelo que se vê, que poderá ocorrer curto-circuito. Ui!