Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

CORREIO VEÍCULOS

Citroën C4 Cactus

Versão “top” Shine Pack 1.6 Turbo THP Automático é o chamariz

13 JUL 19 - 09h:19LUIZ HUMBERTO MONTEIRO PEREIRA/Agência AutoMotrix

No primeiro semestre do ano passado, a Citroën vendeu 9.360 carros no Brasil – o equivalente a 1.560 emplacamentos mensais. Era a décima terceira marca mais vendida no país, com um “market share” de 0,9%. Já no primeiro semestre deste ano, a marca francesa emplacou 13.451 carros no mercado nacional. Uma expansão de 44% em relação ao mesmo período do ano passado, bastante expressiva em relação ao segmento de automóveis e comerciais leves no país, que cresceu apenas 10,8% no mesmo intervalo. Com a atual média mensal de 2.242 emplacamentos, agora a Citroën é a décima primeira no ranking nacional de vendas – superou a Peugeot e a Mitsubishi – e viu seu “share” subir para 1,08%. E o grande responsável por essa retomada do crescimento é o C4 Cactus. Lançado no Brasil em agosto do ano passado, o utilitário esportivo logo virou o modelo mais vendido da Citroën. Este ano, com a média de 1.292 emplacamentos mensais, é responsável por 57,6% das vendas da marca no país. Dentre as versões do C4 Cactus disponíveis, a “top” Shine Pack 1.6 Turbo THP Automático é a que melhor expressa os atributos do SUV produzido em Porto Real, no Sul do Estado do Rio de Janeiro.

Lançado na Europa em março de 2014, o C4 Cactus chegou remodelado às concessionárias europeias no início de 2018 – e esse novo design foi adotado seis meses depois na versão “made in Brazil”. O estilo atual não é tão extravagante quanto o do modelo que estreou no mercado europeu há cinco anos, mas ainda é jovial e irreverente. Apesar das dimensões compactas – comprimento de 4,17 metros, largura de 1,71 metro, altura de 1,56 metro e entre-eixos de 2,60 metros –, o Cactus oferece uma altura elevada em relação ao solo (22,5 centímetros) e bons ângulos de ataque (22 graus) e de saída (32 graus), desejáveis no segmento de utilitários esportivos. A frente traz a assinatura luminosa em três estágios e o indefectível “chevron” tridimensional cromado. Na parte baixa, os projetores adotam uma máscara negra. A frente é alta e horizontal e a silhueta é fluida. As colunas revestidas de preto fosco conferem à capota um aspecto flutuante. Molduras nas caixas de rodas e na parte inferior ajudam a proteger a carroceria, bem como os Airbumps – bolsas de ar que marcaram o estilo do primeiro Cactus em 2014 – posicionados na parte inferior das portas. As rodas aro 17” diamantadas com pneus de uso misto reforçam o aspecto SUV. Na traseira, as lanternas são compostas por módulos de leds alongados. São três opções de cores de teto (Branco Banquise, Preto Perla Nera e Azul Esmeralda), que podem se compor com as seis cores disponíveis da carroceria (Branco Nacré, Cinza Alumínio, Cinza Grafito, Preto Perla Nera e Azul Esmeralda).

Por dentro, o estilo da versão para o mercado latino-americano é bem mais ortodoxo do que o adotado na Europa. As cores privilegiam os tons escuros e o painel 100% digital é moderno e tecnológico. Todas as versões do Cactus contam com central multimídia de 7’’ com conectividade Bluetooth, que agrupa sistemas de auxílio à condução, ar-condicionado e telefonia, compatível com Apple CarPlay e Android Auto, rádio com seis alto-falantes, equipado com AM, FM e pilotado pelos comandos no volante. O Mirror Screen permite navegação por meio do Google Maps ou do Waze e gestão de SMS.

Sob o capô da configuração Shine, o C4 Cactus traz o motor 1,6 litro THP (Turbo High Pressure) 16V flex, acoplado a uma caixa de câmbio automática sequencial de 6 marchas. O “powertrain” entrega 173 cavalos e 24,5 kgfm e a tração é sempre frontal. A versão Shine Pack agrega um pacote de equipamentos de segurança e auxílio à direção que inclui o Active Safety Brake – Sistema de Frenagem Automática e Alerta de Colisão –, Alerta de Atenção ao Condutor e Coffee Break Alert , que informa ao motorista quando é uma boa ideia dar uma pausa na direção, além de seis airbags (duplo frontal, laterais e de cortina). Essa versão “top” é oferecida no site da marca por R$ 99.990 se a carroceria e o teto forem na cor Preto Perla Nera. Todas as outras cores acrescentam algo no preço. A combinação de carroceria Azul Esmeralda com teto Branco Banquise do modelo testado sai por R$ 2.400.

EXPERIÊNCIA A BORDO

Conjunto agradável

O espaço interno do Cactus está dentro do que se espera de um SUV compacto. A adoção de painéis de portas mais cavados ajuda a ampliar os espaços para os cotovelos. Em termos ergonômicos, os assentos são bem desenhados, recheados com espumas de textura agradável e contam com regulagem de altura para o motorista e passageiro. O apoio de braço do motorista no console central é um tanto recuado demais, o que torna difícil de usar. Há bons porta-objetos. Próximo ao painel de bordo, está um nicho associado a dois porta-copos e outro, fechado, na parte posterior do console central. Nos nichos das portas dianteiras e traseiras, é possível acomodar garrafas de até 1,5 litro. Bolsas nas costas dos bancos da frente têm porta-revistas. O porta-malas leva 320 litros, mas pode carregar até 1.170 litros com os bancos traseiros rebatidos.

Em termos de equipamentos, o Cactus é caprichado em sua versão topo de linha. Vem com sistema Keyless, botão Start/Stop, sistema de áudio hi-fi de alta qualidade, Bluetooth, câmera de ré, controle e limitador de velocidade, faróis automáticos, sensor de chuva, espelho eletrocrômico e detector de pressão dos pneus. O grupo de opcionais Pack inclui sistema de frenagem automática, alertas de colisão, de atenção ao condutor e de saída de faixa, indicador de necessidade de descanso, airbag de cortina e carroceria de duas cores. A existência de apenas uma saída USB e a ausência de saída de ar-condicionado para o banco traseiro são duas “economias” que poderiam ter sido evitadas, pelo menos nessa versão “top”. 

IMPRESSÕES AO DIRIGIR

Esperto e estiloso

Com injeção direta sequencial, turbocompressor do tipo Twin-scroll e cabeçote com dois eixos de comando de válvulas, o eficiente motor THP 16V Flex se harmoniza bem com a caixa de câmbio automática sequencial Aisin de 6 velocidades, que tem opção de acionamento manual das marchas na manopla do câmbio – não há “paddles shifts” no volante. São três modos de condução: Sport, Drive e Eco. O Drive tenta proporcionar um equilíbrio entre desempenho e consumo, o Sport valoriza o aspecto dinâmico e o Eco privilegia a diminuição do consumo de combustível. Em qualquer dos modos, o “powertrain” do C4 Cactus “top” esbanja vigor e faz com que o crossover acelere fácil e proporcione ultrapassagens tranquilas. É um carro ágil, com torque e potência sempre disponíveis. Segundo a Citroën, o modelo é capaz de acelerar de zero a 100 km/h em 7,3 segundos (com etanol) e chegar à velocidade máxima de 212 km/h.

A suspensão é um ponto alto do Cactus. Dentro das melhores tradições da Citroën, proporciona elevado conforto sem sacrificar a agilidade dinâmica. Com curso maior que o da versão europeia, a suspensão não prejudica o comportamento do carro nas curvas rápidas, transmitindo confiabilidade. No off-road leve, o rodar do Cactus entrega bom nível de conforto e ótima absorção de irregularidades. A direção elétrica é tão suave que chega a assustar quem não está acostumado. O vão livre do solo de 22,5 centímetros e os bons ângulos de entrada e saída colaboram na transposição de eventuais obstáculos. Equipamentos como o Grip Control, o ESP e o Hill Assist reforçam a segurança em situações de risco e pisos de baixa aderência. O Active Safety Brake usa a câmera dianteira para monitorar o trânsito e identificar veículos e até mesmo pedestres. De 5 a 85 km/h, o sensor ativa a frenagem automaticamente quando for detectado risco de acidente, se o carro estiver abaixo de 80 km/h (para veículos parados) ou 60 km/h, no caso de pedestres. Já o Coffee Break Alert apenas propõe ao motorista dar uma pausa, por meio de uma simpática luz no painel em formato de xícara de café. Ela aparece quando o sistema detecta que o motorista esta dirigindo de forma inconstante, denotando sono.

 

Ficha Técnica

Citroën C4 Cactus Shine Pack 1.6 Turbo THP Automático

Motor: transversal, 1.598 cm³, flex, 4 cilindros, duplo comando de válvulas no cabeçote, injeção multiponto seqüencial, injeção direta, turbocompressor

Diâmetro e curso: 77 x 85,8 mm

Taxa de compressão: 10,2:1

Potência máxima (gasolina/etanol): 166/173 cavalos a 6 mil rpm

Torque máximo (gasolina/etanol): 24,5 kgfm a 1.400 rpm

Transmissão: automática, 6 marchas com opção de acionamento sequencial na manopla de câmbio

Tração: dianteira

Freios: dianteiros a disco ventilado e traseiros a disco, com sistema antitravamento ABS

Direção: pinhão e cremalheira com assistência elétrica

Suspensão: dianteira independente, McPherson, mola helicoidal. Traseira eixo de torção, mola helicoidal

Rodas: 17’’

Pneus: 205/55 R 17

Comprimento: 4,17 metros

Largura: 1,71 metro

Altura: 1,56 metro

Entre-eixos: 2,60 metros

Tanque de combustível: 55 litros

Compartimento de bagagem: 320 litros

Peso em ordem de marcha: 1.214 kg

Preços: Shine Pack 1.6 Turbo THP Automático: R$ 99.990.

Preço da versão testada, com carroceria Azul Esmeralda e teto Branco Banquise: R$ 102.390

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Nova Hilux e SW4 2020
CORREIO VEÍCULOS

Nova Hilux e SW4 2020

Coluna CarMais
CORREIO VEÍCULOS

Coluna CarMais

Em agosto, as novas Honda Africa Twin 2020 chegam ao mercado brasileiro
CORREIO VEÍCULOS

Em agosto, as novas Honda Africa Twin 2020 chegam ao mercado brasileiro

Novas bigtrails no mercado brasileiro
CORREIO VEÍCULOS

Novas bigtrails no mercado brasileiro

Mais Lidas