Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

segunda, 18 de fevereiro de 2019 - 07h22min

incentivo

Receita define regras para tributação
do investimento-anjo em start-ups

22 JUL 17 - 10h:29FOLHAPRESS

A Receita Federal publicou nesta sexta-feira (21) normas para a tributação de investimento em micro e pequenas empresas, realizados por pessoas físicas (conhecidos no mercado como investidores-anjo).

As regras incluem uma tabela para ganhos do investidor quando ele vende suas ações na empresa (em geral, objetivo principal de quem faz esse tipo de operação). Eles passam a variar de 22,5% a 15%, dependendo do tempo que ele mantiver o investimento (o valor mais alto é para prazos inferiores a 180 dias e o mais baixo superiores a 720 dias).

A Receita também definiu que, para caracterização do investimento-anjo, as empresas devem ter faturamento que se enquadre no Simples (regime tributário simplificado, para quem fatura até R$ 3,6 milhões ao ano), mas as empresas podem optar por outras modalidades de recolhimento de impostos.

As definições trouxeram frustração ao setor, que esperava isenções de tributos como forma de estímulo a sua atividade.

O argumento pela isenção é que esse tipo de aplicação ajuda a estimular empresas inovadoras, que serão capazes de gerar mais arrecadação para o governo caso tenham sucesso, de um lado, e são altamente arriscadas para quem aposta (a maioria dessas empresas quebra), de outro.

"A Receita Federal tinha a oportunidade de incentivar o empreendedorismo e aumentar a arrecadação, pois não estaria dando uma renúncia fiscal, já que o investimento em start-ups gera mais arrecadação e empregos qualificados para a sociedade", disse Cassio Spina, presidente da Anjos do Brasil, ONG formada por investidores-anjo.

Segundo ele, a cada R$ 1 investido em start-ups se gera R$ 2,50 em arrecadação, de acordo com estudo da consultoria Grant Thornton .

Lei de 2016 regulamentou esse tipo de aplicação e foi comemorada pelo setor ao dar segurança jurídica a investidores.

Ela garantiu, por exemplo, que eles não seriam responsabilizados com seus patrimônios caso a empresa investida não desse certo.

O fisco também definiu que os lucros das start-ups distribuídos aos investidores devem ser tributados.

Apesar de a decisão ter gerado críticas (pois o lucro das empresas também é tributado antes de ser distribuído ao investidor, o que seria uma tributação dupla), a advogada Priscila Titelbaum, sócia do Rosely Cruz e especialista no setor, diz acreditar que esse será um problema menor.

Isso porque investidores esperam ter ganhos na hora da venda da start-up, após ela comprovar seu potencial de crescimento. Antes disso, os lucros são poucos e não são objetivo principal do investidor.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Brasil é 5º país em ranking  de uso diário de celulares no mundo
SERVIÇOS MÓVEIS

Brasil é 5º país em ranking de uso diário de celulares no mundo

Mídias sociais elevam depressão  entre meninas, diz pesquisa
SAÚDE MENTAL

Mídias sociais elevam depressão
entre meninas, diz pesquisa

TECNOLOGIA

Concurso de inovação social premiará cerca de R$ 400 mil a três vencedores

Golpe 'retrospectiva 2018' no WhatsApp chega a 340 mil pessoas em 16 h
CUIDADO

Golpe 'retrospectiva 2018' no WhatsApp chega a 340 mil pessoas em 16 h

Mais Lidas