Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

preconceito

Facebook permitia anúncios
voltados para grupos antissemitas

16 SET 17 - 09h:47FOLHAPRESS

A ferramenta para venda de propagandas do Facebook permitia que o anunciante escolhesse como público-alvo antissemitas e outros grupos de ódio.

A informação foi revelada pelo site jornalístico americano ProPublica na quinta-feira (14). Após ser informado da reportagem, o Facebook cancelou a opção.

A ferramenta do Facebook permite ao anunciante escolher uma série de categorias para a qual determinada propaganda vai aparecer.

Essas categorias são criadas de modo automático por um algoritmo e são baseadas nas informações fornecidas pelos usuários em seus perfis.

Assim, é possível escolher fazer uma propaganda apenas para moradores de Belo Horizonte, para corintianos ou para fãs da Lady Gaga. E também para uma categoria chamada "ódio a judeus" ("jews hater", no original).

A categoria não aparece inicialmente para o usuário, é necessário digitá-la. Ao digitar uma palavra, porém, outras semelhantes aparecem, porém.

Foi isso que a ProPublica fez para comprovar a questão. A publicação comprou US$ 30 em anúncios para promover uma de suas reportagens.

Inicialmente escolheu a categoria "ódio a judeus". Como ela não tinha pessoas suficientes (tem apenas 2.274 usuários), teve que escolher outras.

Desse modo, também incluiu "como queimar judeus", "história de como os judeus arruinaram o mundo" e "Hitler não fez nada errado".

Todas essas categorias apareciam dentro do tópico "campos de estudo". Isso significa que os usuários incluíram esses termos nesse tópico na descrição do perfil.

Como o número de usuários das categorias ainda não era suficiente, a ProPublica incluiu outras ligadas ao nazismo, como "German Schutzstaffel" (a SS, guarda de elite nazista ) e "Nazi Party" (partido nazista).

Também foi incluído uma categoria com o nome do Partido Democrático Nacional alemão, de extrema direita.
Depois de 15 minutos, o Facebook autorizou o anúncio focado no público.

Essa não é a única polêmica recente que envolve o Facebook. O jornal americano "The New York Times" fez uma matéria mostrando que o hackers russos teriam criados perfis falsos no site e no Twitter para atacar Hillary Clinton durante a eleição de 2016.

RESPOSTA

Após ser informado pela ProPublica, o Facebook disse que cancelou as categorias de ódio citadas na matéria.
Na sequência, a empresa anunciou que iria retirar a opção de "campos de estudo" na hora de definição de público-alvo até criar um modelo que impeça que ela seja usada para disseminação de ódio.

A companhia informou que algumas vezes o algoritmo cria categorias que vão contra os padrões de comportamento do próprio Facebook e, por isso, elas são eliminadas.

A empresa também afirmou que trabalha para impedir que casos semelhantes voltem a acontecer.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Assinantes de TV paga receberão alertas de desastres naturais em MS
A PARTIR DE SEGUNDA

Assinantes de TV paga receberão alertas de desastres naturais em MS

NACIONAL

Semana de Ciência e Tecnologia termina hoje

TELEFONIA

TIM recorre no Cade contra aprovação da compra da Nextel pela Claro

Netflix tem planos para acabar com compartilhamento de senhas entre usuários
COMPORTAMENTO COMUM

Netflix quer acabar com compartilhamento de senhas entre usuários

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião