Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PÉ NA ESTRADA

Após um ano e meio de união, casal decidiu abandonar tudo e viajar centenas de países

Philippe e Sthefany trocaram a segurança da casa para se aventurar no mundo
18/02/2020 07:00 - Naiane Mesquita


 

Philippe e Sthefany Abuchaim subiram no altar há um ano e meio, após nove meses de noivado e nenhum namoro. A união que surgiu após a criação de listas, se tornou um casamento e, agora uma viagem pelo mundo que pode render recordes para os dois.  

“Nos casamos há um ano e meio atrás. A Sthefany não conhecia nenhum país e eu prometi que mostraria o máximo do mundo para ela. Visitamos Israel, a Jordânia, enfim, vários lugares”, explica Philippe Abuchaim de Ávila, 28 anos.

Durante as pesquisas sobre as viagens que fariam, o casal descobriu a história de Anderson Dias, um brasileiro que entrou para o Guinness World Records como o homem que percorreu 196 países, em apenas 543 dias.  

“Ele percorreu todos os países, menos o pólo norte e o pólo sul. Continuamos com a pesquisa e descobrimos que não tinha um casal casado que percorreu todos os países mais o pólo norte e sul. Então, resolvemos tentar. Nos inscrevemos para ser o casal casado mais jovem a visitar todos os 196 países, além da mulher e do homem a visitar mais rápido todos os países e o pólo norte e sul”, explica Philippe.

A empreitada deve durar ao menos dois anos e seis meses. Para custear toda a viagem, o dois foram na contramão dos recém-casados e venderam todos os móveis e objetos de algum valor. “Nós vendemos tudo que a gente tinha do casamento, todos os móveis, até os copos”, ri.

A viagem começa oficialmente no dia 1 de março, data em que os dois completam um ano e meio de casados. O primeiro destino é o Uruguai. “Em cada local vamos passar um tempo, sempre priorizando as experiências. No Suriname vamos passar um dia, mas no Peru serão dez. Vamos para locais curiosos também, como o Alaska, Havaí e Las Vegas, nos Estados Unidos”, indica.

Coragem

Aos 23 anos, Sthefany é estudante de direito e empresária ao lado do marido, que também é advogado. Ela não teve dúvidas em trancar a faculdade para seguir o sonho de conhecer o mundo. Enquanto ele vai continuar trabalhando à distância.  

No início, os dois contam que a família não aprovou a aventura. “Nos chamaram de loucos. Nossas mães falaram mais sobre saudade, de estarmos longe. Mas também perguntaram muito sobre o dinheiro, como iríamos manter as viagens. Agora eles nos abençoam”, explica o advogado.  

Para evitar gastos extras, o casal vai levar apenas uma mochila cada um e evitar despachar bagagens.  

Amor

Não é apenas o mundo que os dois querem conhecer rápido. A história de amor do casal também pulou algumas etapas. Em vez de namoro, Philippe pediu a mão da mulher em casamento. “Antes de conhecer a Sthefany eu fiz uma lista para Deus do que eu queria encontrar em uma mulher. O que eu não sabia é que ela também tinha feito uma lista, mas aos 15 anos. Conforme eu fui conhecendo ela, percebia que ela tinha as qualidades que eu procurava”, explica o viajante.  

Na lista de Sthefany tinha desde o desejo de que o marido não torcesse para nenhum time até o fato de ser pedida em casamento em vez de namoro. “Foi exatamente o que eu fiz sem nem ver a lista dela. Também não torço para nenhum time”, diz, impressionado com as coincidências.  

Nove meses depois os dois subiram ao altar e agora pretendem desbravar o mundo. “Mais do que conhecer os países, nós priorizamos as experiências. Queremos viver mais intensamente”, acredita Philippe.

A viagem será toda documentada pelo perfil no Instagram: @196mundos.

 

Felpuda


Malfeitos que teriam sido praticados em tempos não tão remotos podem ser a pedra no caminho de pré-candidatura que está sendo costurada. As conversas ainda estão nas “ondas da rádio-peão”, mas, com a proximidade da campanha eleitoral, há quem diga que isso se tornará uma tremenda dor de cabeça para quem vai enfrentar as urnas. Pior:  o dito não seria culpado direto, mas sim a sua...  Bem, deixa rolar para ver onde vai parar.