Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CUIDADO DA FAUNA

Tecnologia desenvolvida em MS<br> vai monitorar animais silvestres

Projeto vem analisando dados de jacarés, veados, cervos e queixadas
09/09/2016 15:24 - RODOLFO CÉSAR


 

Pesquisadores em Mato Grosso do Sul desenvolvem sistema pioneiro no Brasil para monitorar animais silvestres. Essa tecnologia já existe fora do país, mas o projeto é para criar produto nacional.

O pesquisador da Embrapa Pantanal, Walfrido Moraes Tomas, é o coordenador do trabalho, que é denominado Desenvolvimento de Sistema Nacional de Monitoramento da Fauna Silvestre com Colares GPS para Estudos Ecológicos e de Mitigação de Impactos de Projeto Hidroelétricos.

A atual fase do projeto é a de colocar colares nos animais e realizar testes para avaliar a performance do sistema.

Depois de pronto, esse produto deve servir para pesquisadores de diferentes partes do país. Em casos de construção de hidrelétricas, por exemplo, que há impacto na fauna, a proposta poderá ser usada para minimizar danos e morte de animais.

No Estado, o projeto atualmente é utilizado para monitorar cervos-do-pantanal, queixadas, jacarés, veado campeiro e veado-mateiro.

Com base em tecnologia GPS, incluindo sistema de posicionamento, recepção, envio e armazenamento de dados, o sistema ainda tem software que ajuda a traduzir os dados obtidos.

“Em queixadas, por exemplo, estamos programando os colares para um registro de posição dos animais a cada meia hora. Nos primeiros três meses de teste de uma das queixadas foram obtidas 4 mil localizações, o que permite detalhar muito os locais escolhidos pelos animais na paisagem, bem como aqueles evitados, entre outras inferências acerca da ecologia da espécie em questão”, explicou o pesquisador.

O projeto consegue mostrar a posição do animal em vários intervalos de tempo. É possível obter detalhes como coordenadas geográficas, horário, data, entre outras informações.

O investimento no projeto é da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul e da Companhia Elétrica de São Paulo (Cesp). Não foi divulgado o valor que está sendo investido na pesquisa e qual deve ser o preço desse sistema no mercado.

Wendy Castro, Sebastião (funcionário da CESP), Guellity Marcel e Walfrido Moraes Tomas durante pesquisa. Foto: Divulgação/Fundect

Felpuda


Dois pedidos de desculpas, de autorias diferentes, foram assuntos muito comentados nas redes sociais com críticas ácidas às suas declarações, até porque os envolvidos não só os usaram despropositadamente, como tiveram de voltar a eles para se redimirem. Um deles, inclusive, quase criou uma crise política da-que-las, o que obrigou seu pai, figurinha carimbada, a pular miúdo para colocar panos quentes sobre a questão. Essa gente!...