Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ASTRONOMIA

Madrugada de sábado terá<br> chuva de meteoros Perseidas

Madrugada de sábado terá<br> chuva de meteoros Perseidas
11/08/2017 20:00 - G1


 

A tradicional chuva de meteoros das Perseidas alcançará o seu ponto máximo na madrugada deste sábado (12), mas o espetáculo pode ser atrapalhado em parte pela luminosidade da Lua e pela posição desfavorável do Brasil - o ponto de origem das luzes fica abaixo do horizonte para um observador em nosso país.

Segundo o professor de astronomia da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar) Gustavo Rojas, o melhor momento para tentar enxergar as Perseidas é por volta das 4h da manhã deste sábado. Mas, segundo ele, "quem ficar acordado, pode se frustrar" por ver poucas luzes no céu. "Não vale a pena", avalia.

Quem ainda assim quiser tentar, deve ter paciência, pois os olhos precisam de pelo menos 15 minutos para se habituar à escuridão. Estar num local sem luz é fundamental. Então, o observador deve procurar pelos meteoros na direção norte, na altura do horizonte.

Este ano, a lua minguante vai atrapalhar a visibilidade. Na noite de sábado ela ficará 72% iluminada, o que impedirá ver melhor os meteoros, num efeito parecido com o das luzes nas cidades. "Os meteoros mais fracos não dá para ver", adverte Rojas. O professor da Ufscar acredita que será possível ver cerca de 10 estrelas cadentes por hora no melhor horário.

Pó espacial

As Perseidas -- também popularmente conhecidos como estrelas cadentes -- são, na realidade, minúsculas partículas de pó que provêm da cauda de um cometa, o 109P/Swift-Tuttle.

A trajetória da Terra cruza esta chuva de meteoros a cada inverno do Hemisfério Sul. Ao entrar em contato com a atmosfera, as partículas se inflamam e deixam um rastro luminoso. As Perseidas, visíveis de 17 de julho a 24 de agosto, alcançam seu máximo neste sábado.

Felpuda


Político experiente tem repetido que não é o momento de falar em eleições. O momento é de tensão, de incertezas políticas e econômicas – como se o País fosse uma ilha de preocupações cercada pelo coronavírus por todos os lados. Em Mato Grosso do Sul, onde já se registrou morte pela doença e o número de casos só tende a subir, não poderia ser diferente. “É suicídio político para quem ousar falar em eleição neste momento”, conclui. Só!