PESQUISA

Estudo liga capacidade mental a risco de ataque cardíaco

Testes mostraram que pessoas com menos habilidades cognitivas tem maior propensão aos problemas cardíacos
07/08/2015 16:10 - TERRA


 

Pessoas com poucas habilidades mentais podem ter maior risco de sofrerem um ataque cardíaco, indica um estudo holandês. As informações são do site do jornal britânico The Mirror.

Um time de cientistas fez a descoberta após monitorar o progresso de quatro mil pessoas na faixa dos 75 anos, ao longo de três anos. No começo do estudo, os participantes tiveram suas habilidades mentais de alto nível avaliadas e classificadas, por meio de testes.

O grupo com menor pontuação mostrou estar 85% mais propenso a ter um ataque cardíaco e 51% destes apresentaram mais chances de  sofrer um AVC do que os membros que ponturam melhor.

O líder do estudo, Dr. Behnam Sabayan, da Leiden University Medical Centre, na Holanda, disse que os dados mostram que as funções cardíacas e cerebrais estão mais estreitamente relacionadas do que se imagina. “Embora os resultados não tenham uma tradução clínica imediata, eles enfatizam que a avaliação da função cognitiva deve fazer parte da avaliação do risco cardiovascular no futuro”, pontuou.

Sabayan ressaltou que o mau funcionamento do cérebro pode refletir doenças no suprimento vascular cerebral. “Uma vez que as doenças nos vasos sanguíneos estão completamente relacionadas às doenças dos vasos sanguíneos do coração, as baixas pontuações preveem um maior risco de ataques.”

Durante o período do estudo, os especialistas registraram 375 ataques cardíacos e 155 derrames. As conclusões foram publicadas no jornal Neurology.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".