PESQUISA

Cientistas acham material que transforma CO2 em combustível

Sistema captura gases do efeito estufa antes mesmo que eles fossem liberados na atmosfera
11/08/2015 17:22 - Eco Desenvolvimento


 

Um novo material que não apenas captura o dióxido de carbono (CO2) - gás que mais contribui para as mudanças climáticas - mas também o converte em combustível. Assim é o tetrâmero de cobre, descoberto recentemente pelo Departamento de Energia dos Estados Unidos.

O novo composto consiste em pequenos grupos de quatro átomos de cobre, unidos por uma camada fina de óxido de alumínio.

Os tetrâmeros de cobre se ligam ao CO2 e ajudam a acelerar sua conversão em metanol, que pode ser armazenado ou queimado em forma de combustível.

Uma possível aplicabilidade do sistema seria sua instalação no interior de uma chaminé, a fim de capturar os gases do efeito estufa antes mesmo que eles fossem liberados na atmosfera.

Catalisador de cobre
Atualmente, o processo industrial usado para transformar dióxido de carbono em metanol usa um catalisador de cobre, óxido de zinco e óxido de alumínio. A questão é que essa tecnologia é pouco eficiente, uma vez que o número de átomos de carbono capturados pelo sistema é mínimo.

O catalisador criado pelos cientistas do governo americano promete ser muito mais eficiente, mas ainda está longe de estar pronto para ser usado em larga escala.

Durabilidade incerta
Até agora, os cientistas conseguiram fabricar apenas pequenas quantidades do material, cuja durabilidade em longo prazo ainda é incerta.

"Existe uma chance de que os tetrâmeros de cobre se decomponham quando colocados em um ambiente industrial. Por isso, garantir sua durabilidade é um passo crítico para o futuro da pesquisa", explica Larry Curtiss, pesquisador do Departamento de Energia americano, que participou do estudo.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".