Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

LONGEVIDADE

A importância do idoso socializar e ter contato com outras gerações

É muito importante ter atividades diferentes ao longo do dia, segundo especialista
23/06/2019 19:00 - BEM ESTAR


Pesquisas mostram que as pessoas longevas que chegaram com melhores condições de saúde física e mental são as que mantiveram uma rede social ativa. Socializar é mais do que ter alguém para conversar, é ter e manter relações afetivas de qualidade durante toda a vida.

É muito importante o idoso socializar e ter amigos. “Essa rede não precisa ser grande, mas precisa ter qualidade. E não deve ser restrita aos familiares”, orienta a gerontóloga e geriatra Yeda Duarte.

Dicas práticas para manter a vida social ativa:

-Receba amigos em casa. “Os nossos amigos podem se modificar, mas é importante manter uma rede de amigos, manter o contato com pessoas”.

-Mantenha as amizades. Retorne e também faça ligações. “Amizades precisam ser cultivadas, alimentadas”. Com a vida atribulada, acabamos deixando as relações pessoais em segundo plano. Contudo, priorizar essas relações é o que faz a diferença no alcance das idades mais avançadas com melhor qualidade de vida.

-Para que a cabeça funcione bem ao longo da vida, também é muito importante ter atividades diferentes ao longo do dia. “Ligue para os amigos, limpe a casa, vá ao supermercado, brinque com seus netos. Faça coisas diferentes todos os dias. Isso faz com que o cérebro continue ativo, funcionando bem”, orienta a geriatra.

-Outras formas de manter o cérebro ativo: experimente criar listas – seja de compras, de atividades ao longo do dia, de aniversários; se jogue nas palavras cruzadas; leia revistas, livros, jornais. “Tudo isso é estímulo para a mente”, completa Yeda.

Felpuda


Paixão política que extrapola o bom senso, chega nas redes sociais e se transforma em baixaria pode resultar em prejuízo no bolso. Isso foi o que aconteceu com autor de texto nada elogioso contra colega por diferenças em apoio a candidatos nas eleições de 2016. O dito-cujo foi condenado a pagar indenização de R$ 7 mil, com correção monetária e juros mensais a partir da publicação da sentença, além dos honorários advocatícios. Detalhe: os adversários daquela época hoje andam de braços dados. Pode?