Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

PENDURICALHOS MPE

Verba extra representa adicional de 50% à folha de pagamento

Despesa prevista para 2019 chega a R$ 418 milhões

16 MAI 19 - 09h:00Redação

Também conhecidos como penduricalhos, os mais variados auxílios que compõem a folha salarial dos promotores de Justiça representam um custo extra de 50% nas despesas do Ministério Público Estadual (MPE).

Só neste ano, a instituição já tirou, pelo menos, R$ 15 milhões dos cofres para pagar auxílios para transporte, alimentação, escola dos filhos e assistência médico-social. A verba extra também inclui jetons e pagamento de licenças-prêmio e outras indenizações. Em 2019, a instituição deve gastar ao menos R$ 52 milhões com verbas indenizatórias. 

Para se ter uma ideia do peso dos auxílios na folha de pagamento, de janeiro a maio, os salários dos promotores e procuradores de Justiça, que não são baixos (cada chega a R$ 35,4 mil por mês), custaram R$ 29,2 milhões aos cofres públicos.

A previsão é de que, até o fim do ano, a instituição gaste mais de R$ 100 milhões com o pagamento das remunerações. Os valores não levam em consideração os servidores administrativos, que recebem salários bem menores. Para este ano, o Ministério Público Estadual tem uma despesa prevista de R$ 418 milhões. 

BENEFÍCIOS

Os pagamentos das licenças-prêmio beneficiam até mesmo membros da instituição que cobram moralidade de outros órgãos públicos. Caso do titular da 30ª Promotoria de Justiça, Marcos Alex Vera. Entre 2014 e 2018, ele recebeu R$ 271 mil com o benefício.

Outros integrantes da instituição, como a procuradora Jaceguara Dantas, recebeu R$ 540 mil em 59 meses com esse tipo licença. Estes valores, cabe destacar, não estão inclusos nos salários. Outros colegas dela, como Sérgio Luís Morelli e Wilson Fortes, também receberam indenizações com valores entre R$ 543 mil e R$ 417 mil. É importante enfatizar que não só estes promotores e procuradores citados como exemplo, mas todos os integrantes da instituição têm recebido valores acima da média do mercado.

ESTRATÉGIAS

Para aumentar o salário recebido mensalmente, os promotores e procuradores lançam mão dos auxílios, como o auxílio-transporte e alimentação, que chegam a R$ 2,1 mil cada. Não há a necessidade de que eles comprovem com recibos o uso desta verba com alimentação ou transporte.

Na iniciativa privada, por exemplo, os tickets alimentação só podem ser usados em supermercados ou panificadoras, e o transporte, no transporte coletivo ou em postos de combustíveis. 

Mas as vantagens não param por aí. Existem também os abonos de permanência (atingem até R$ 4,7 mil) e auxílio-saúde (R$ 2,1 mil). O auxílio-moradia foi derrubado pelo Supremo Tribunal Federal no ano passado, em negociação com o Congresso para aumentar o teto salarial do funcionalismo público. 

Um dos auxílios criados exclusivamente para se repassar verbas extras tem o nome de parcela autônoma de equivalência (PAE) e beneficia até mesmo os pensionistas da instituição. Os valores mensais da gratificação podem atingir R$ 17 mil, quando os integrantes (a maioria) atingem os requisitos para o recebimento.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Ato em apoio ao governo de Bolsonaro reúne milhares de pessoas na Capital
MANIFESTAÇÃO

Ato em apoio ao governo reúne milhares na Capital

Trio ateia fogo em casa e agride vítima em aldeia
DOURADOS

Trio ateia fogo em casa e agride vítima em aldeia

Polícia apreende R$1,6 milhão<br> em cigarros contrabandeados
INTERIOR

Polícia apreende R$1,6 milhão em cigarros contrabandeados

Guarda "suplica" transferência do Garras para presídio estadual
ARSENAL

Guarda "suplica" transferência
do Garras para presídio estadual

Mais Lidas