PROMESSA DE CAMPANHA

UPA-Vet deve continuar <br>no papel por falta de dinheiro

Prefeito diz que não há recursos para dar andamento ao projeto
16/05/2019 13:16 - EDUARDO PENEDO


 

Mesmo sendo promessa de Campanha do prefeito de Campo Grande, Marcos Trad (PSD), a UPA veterinária continuará no imaginário dos protetores, Organizações Não-Governamentais (ONGs) e amantes de animais. "Nós pretendemos colocar em pratica a UPA -Veterinária, mas o que precisamos é de recursos. A prefeitura vive de imposto e quando tiraram R$ 36 milhões ao ano fica difícil”, explica o prefeito.

Marcos Trad Explica que não consegue dar celeridade as ações em Campo Grande em razão da falta de recursos, já que o Brasil está em uma recessão financeira. “É incrível, eu não estou conseguindo dar celeridade na cidade. Por exemplo, o meu irmão Nelsinho me questiona como eu consigo administrar a cidade. Ele (Nelsinho) dizia que em janeiro já tinha o dinheiro do 13° dos servidores aplicado. Agora, com os 60% das pessoas que pagam o impostos eu consigo pagar a folha dos servidores”, argumenta.

A novela sobre a UPA-Vet vem desde 2012 quando começou a discussão da construção, sendo que, três anos depois, foi aprovado projeto autorizativo para as obras. Em março de 2018, o prefeito Marcos Trad anunciou, durante ato público, a construção e entrega, em até seis meses, da unidade.

Mais de R$ 1 milhão já foram alocados para o projeto ainda no ano passado, bem como outros R$ 200 mil para custear castrações e outros R$ 80 mil para custeio.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".