Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ALERTA

Umidade relativa do ar despenca para 17% neste domingo em MS

Índice foi registrado ao meio-dia na região norte, segundo Inmet
25/08/2019 12:23 - DANIELLA ARRUDA


 

Com pelo menos 69 municípios em situação de alerta para a baixa umidade do ar neste domingo, conforme aviso meteorológico do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Mato Grosso do Sul registrou ao meio-dia de hoje índice mínimo de 17% nos municípios de Costa Rica e Sonora, situados na região norte do Estado.

Além destas duas localidades, outros oito municípios estão com umidade relativa do ar abaixo de 30% no Estado no momento, conforme o sistema de estações automáticas do Inmet: Campo Grande (26%), Água Clara (29%), Chapadão do Sul (20%), Coxim (27%), Porto Murtinho (22%) e São Gabriel do Oeste (23%).

 

CAPITAL

Há 40 dias sem registrar chuva significativa, Campo Grande registrou neste sábado (24) umidade relativa do ar de 19%, a mais baixa dentre as capitais, segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Além da capital sul-mato-grossense, também tiveram índices abaixo de 30% ontem as capitais Goiânia (21%), Palmas (26%) e Brasília (26%).

Hoje, a umidade relativa do ar de Campo Grande permanece em queda e ao meio-dia alcançou o índice de 26%, conforme registro da estação automática do Inmet. Os termômetros alcançaram 29,2ºC.

De acordo com a previsão do instituto, a temperatura máxima deve chegar a 34ºC e a umidade relativa do ar mínima estimada é de 20% na Capital sul-mato-grossense. Para o Estado, a temperatura máxima prevista é de 38ºC.

 

ATENÇÃO

A Capital e mais 68 municípios sul-mato-grossenses estão entre as localidades incluídas em aviso meteorológico do Inmet de hoje, alertando para a baixa umidade relativa do ar (entre 30% e 20%).

A orientação é para que a população beba bastante líquido, evite desgaste físico nas horas mais secas e também a exposição ao sol nas horas mais quentes do dia.

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?