Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PERIGO POTENCIAL

Umidade do ar de até 20% <br>gera alerta para 61 cidades de MS

Temperaturas serão elevadas no período da tarde no Estado
27/08/2017 07:22 - RODOLFO CÉSAR


 

O baixo índice de umidade do ar deve ser registrado em todo o Estado hoje. Em algumas regiões, o índice pode chegar a 25%. A temperatura varia entre 19º C e 38º C. A previsão é do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). O alerta sobre essa condição estendem-se para 61 municípios de Mato Grosso do Sul.

Campo Grande é uma dessas cidades onde a umidade do ar requer atenção especial. No período da tarde ela pode chegar a 25%, com máxima de 65%. Os riscos para a saúde são grande por conta da falta de umidade do ar e é preciso muita hidratação.

"Sol e temperaturas elevadas continuam predominando em todo o Estado. Neste período de previsão, o tempo deve manter-se estável com o sol aparecendo entre poucas nuvens e baixos índices de umidade à tarde, especialmente no norte e oeste do estado", explicou o meteorologista Ernesto Alvin Grammelsbacher, do Inmet.

O alerta do Inmet sobre a umidade do ar para Mato Grosso do Sul é considerado perigo potencial e está mantido até as 17h deste domingo (27) para 61 municípios.

As cidades listadas nesse aviso são, por exemplo, Alcinópolis, Anaurilândia, Aquidauana, Bataguassu, Bela Vista, Bodoquena, Bonito, Camapuã, Coxim, Corumbá, Dourados, Itaporã e Ponta Porã.

Para Dourados, a temperatura deve variar entre 15º C e 34º C, com pôr do sol previsto para 17h28 e umidade do ar mais baixa de 25%.

Corumbá deve ter máxima de até 39º C e umidade do ar variando entre 25% e 70%, com nível crítico previsto para tarde.

Em Três Lagoas, a umidade pode chegar a 20%, com termômetros marcando 35º C. O pôr do sol deve acontecer às 17h16.

Felpuda


Malfeitos que teriam sido praticados em tempos não tão remotos podem ser a pedra no caminho de pré-candidatura que está sendo costurada. As conversas ainda estão nas “ondas da rádio-peão”, mas, com a proximidade da campanha eleitoral, há quem diga que isso se tornará uma tremenda dor de cabeça para quem vai enfrentar as urnas. Pior:  o dito não seria culpado direto, mas sim a sua...  Bem, deixa rolar para ver onde vai parar.