Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

MUITA CHUVA

Um dia depois, temporal ainda gera transtornos em Campo Grande

Ruas foram interditadas para limpeza e trânsito em alguns pontos está lento
21/02/2020 12:15 - Bruna Aquino


 

O cenário após as chuvas que atingiram Campo Grande na quinta-feira (25) ainda de caos. Nos pontos mais críticos que houve alagamentos, equipes da Secretaria Municipal De Infraestrutura E Serviços Públicos (Sisep) e da concessionária responsável pela gestão da Limpeza Urbana e o Manejo de Resíduos Sólidos (Solurb) já estão pela cidade realizando a limpeza de vários galhos e pedaços de asfalto. 

O Correio do Estado percorreu os principais pontos críticos da cidade e encontrou equipes nesta manhã trabalhando na limpeza das vias e parte do asfalto que foi arrancado com enchente na Avenida Ernesto Geisel com a Rachid Neder. 

A estudante Daniella Tiaen Farias, de 18 anos, mora no condomínio em frente ao córrego segredo e ficou assustada com a chuva. Segundo ela, quando foi buscar uma encomenda na recepção percebeu que a água estava dentro do edifício. “Eu nunca tinha visto isso, eu e outros moradores vimos os carros quase sendo arrastados pela enxurrada e funcionários do prédio foram ajudar os motoristas, teve uma funcionária que encontrou uma cobra, foi assustador”, contou. 

Com os trabalhos, servidores da Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran) e Polícia Militar estão monitorando o trânsito no local, já que a avenida está interditada sentido bairro/centro. Enquanto as obras estiveram em andamento, os motoristas e motociclistas deverão fazer o desvio pela Rua Anápolis. Por conta da interdição, hoje por volta das 9h, o trânsito estava lento e com engarrafamento até o acesso na Avenida Euler de Azevedo. 

 
 

Na avenida Prefeito Heráclito José Diniz de Figueiredo outra equipe da Solurb faz a limpeza de muitos galhos, folhas e até lixo. Na continuação desta avenida com a rua Veridiana, parte da calçada cedeu e está interditada. No local também há equipes da Agetran para monitorar o trânsito. 

Parte da canalização da obra de contenção de enchentes do Rio Anhanduí, na Avenida Presidente Ernesto Geisel, que cedeu e caiu na água ontem já está sendo reparada. Hoje por volta das 11h35 equipes da prefeitura estiveram no local com retroescavadeiras. A avenida sentido centro/bairro está interditada temporariamente. 

O trecho da via que cedeu é parte de obra que aparentemente já estava concluída. Atualmente, o canteiro de obras está paralisado, por falta de recursos federais, segundo informou a prefeitura de Campo Grande.

À reportagem, o secretário de Infraestrutura do município, Rudi Fiorese, informou que as equipes estão a todo vapor no mutirão de limpeza, mas que a possibilidade de chuva ainda preocupa. “Iniciamos os trabalhos, mas vai depender da chuva, estamos nos preparando para resolver os pontos mais críticos, mas o tempo continua fechado e há previsão de chuva”, disse.  

Segundo o titular da Sisep, na avenida Ernesto Geisel com a Salgado Filho, a placa de concreto que caiu faz parte de uma obra antiga, mas que a prefeitura fará uma proteção no local para evitar uma possível erosão. Já na rotatória da Rachid Neder, Rudi disse que todos os esforços estão concentrados para recuperar a via o mais rápido possível. 

Questionado sobre obras para prevenir enchentes, já que toda vez chove nesse trecho, o secretário informou que é necessário fazer barragens de contenção no córrego para reter a invasão da água. “Tudo isso precisa de recurso federal, o prefeito já tentou várias vezes o recurso para essa obra, mas ainda não houve a liberação”, finalizou.

 
Equipes de limpeza na Avenida Ernesto Geisel com a Rachid Neder - Bruna Aquino/Correio do Estado

Felpuda


A tal estratégia de jogar informações nas redes sociais com objetivo de prejudicar adversários está começando a gerar reações. Uma dessas figurinhas vai ter de explicar, na Justiça, o por quê de postagem trazendo suspeitas pesadas contra cabeça coroada, que não gostou nadica de nada de ver o seu nome sendo usado como “bucha de canhão” para fins eleitoreiros. Vem chumbo grosso por aí! E sai debaixo!...