UNIVERSIDADE

Uems também tem falta <br>de técnicos administrativos

Além dos administrativos, instituição sofre ainda com falta de professores
28/06/2018 06:00 - TAINÁ JARA


 

Além da necessidade de pelo menos 709 professores para completar adequadamente o quadro da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), como mostrou o Correio do Estado na edição da última terça-feira (26),  a instituição também sofre com poucos servidores nas funções administrativas.

Em 16 anos, a quantidade de cursos na universidade saltou de 16 para 62 e segundo o Sindicato dos Técnicos Administrativos da UEMS (Sintauems),  a quantidade de técnicos não acompanhou tal crescimento. A instituição mantém 357 técnicos no quadro de pessoal . 

De acordo com o presidente do Sintauems, Rubens Urue, o baixo número de profissionais esbarra na limitação orçamentária, mas também no Plano de Cargos e Carreira, que permite a contratação de apenas 390  técnicos.  “Geralmente, o número de técnicos é quase o mesmo do número de docentes”, afirma Urue. 

Atualmente, a instituição conta com 721 professores, sendo 260 contrados. O ideal seriam 1.170. 

ERRATA

Na edição de terça-feira, o Correio do Estado informou em matéria, sob o título de “UEMS precisa de 709 professores para completar cargos”, que a universidade conta com 818 concursados na área administrativa. No entanto, a instituição mantém 357 técnicos e os demais 461 são docentes, totalizando 818 servidores e não técnicos administrativos.

Além disto, a informação do valor da folha de pagamento da universidade -  que no último mês foi de R$ 12.896.600,00 -,  foi repassada pelo Sintauems, e não pela assessoria de imprensa da instituição, como relatou a matéria.  

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".