Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Indenização

Estado é condenado a pagar
R$ 80 mil a professora que se acidentou em escola

Mulher tropeçou em desnível de piso e passou a se locomover em cadeira de rodas

1 SET 15 - 16h:14Glaucea Vaccari

O Estado de Mato Grosso do Sul foi condenado a pagar R$ 80 mil de indenização a uma professora que ficou incapacitada permanentemente depois de se acidentar em uma escola estadual na qual trabalhava, em Três Lagoas - distante 338 km da Capital. O estado já havia sido condenado em 1ª instância, mas recorreu da decisão.

De acordo com o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, a escola estava em obras e a professora tropeçou em uma irregularidade do piso, o que causou grave lesão em sua perna esquerda. Devido ao acidente, ela realizou várias cirurgias e passou a se locomover em cadeira de rodas.

A mulher entrou com ação na Justiça pedindo indenização alegando que, por conta das lesões, precisou adaptar a residência para cadeirante, além de fazer muitas sessões de fisioterapia e ser aposentada por invalidez.

Em sua defesa, o estado alegou que a queda não ocorreu por conta da reforma, mas por culpa da vítima, que usava sapato do tipo Anabela. Ainda segundo o estado, não havia razões para danos morais indenizáveis e pediu a redução do valor fixado. Já a mulher pediu o aumento do valor.

O relator do processo, desembargador Sideni Soncini Pimentel, apontou vítima comprovou nos autos que o tombo foi causado pelo desnível no piso da escola, enquanto o estado não apresentou provas que comprovassem a culpa exclusiva da vítima.

Dessa forma, foi mantido o valor de R$ 80 mil fixado na sentença, considerando que a vítima era capaz e ativa e ficou dependente de outras para atividades corriqueiras, o que “impõe enorme sofrimento psicológico”.

Por unanimidade, os desembargadores da 5ª Câmara Cível deram parcial provimento ao recurso interposto pelo Estado de MS buscando a reforma da sentença que julgou parcialmente procedente ação movida por S.M.G. após acidente em escola que a deixou incapacitada permanentemente.

O estado foi condenado ainda a pagar uma pensão mensal de R$ 1.357,87 até que a professora complete 60 anos. 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Cronograma é mantido e porto será inaugurado em fevereiro
MURTINHO

Cronograma é mantido e porto será inaugurado em fevereiro

Tribunal mantém ação contra Puccinelli na Justiça Estadual
PROPINA DA JBS

Tribunal mantém ação contra Puccinelli na Justiça Estadual

Hospitais da Capital não têm alvará definitivo
ALERTA

Hospitais da Capital não têm alvará definitivo

Nota de esclarecimento sobre o Vestibular e PASSE UFMS 2020
INFORME PUBLICITÁRIO

Nota de esclarecimento
sobre o Vestibular
e PASSE UFMS 2020

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião