Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ferroviário

Ação cobra dano moral de R$ 300 mil
da Agesul e ANTT por atraso em obra

Construção de trilhos ficou paralisada por dois anos em Três Lagoas

22 JUN 17 - 17h:46RODOLFO CÉSAR

Uma obra de mais de R$ 37,4 milhões que ficou paralisada em Três Lagoas por dois anos pode ainda resultar em indenização de dano moral coletivo à população da cidade. O Ministério Público Federal (MPF) recorreu de sentença judicial e cobra R$ 300 mil da Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos do Estado de Mato Grosso do Sul (Agesul) e do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT).

O empreendimento, iniciado em 2008 com assinatura de convênio, sofreu atraso a partir 2011 e chegou a ficar paralisado entre abril de 2012 a meados de 2014. A obra compreendia a instalação de 12 quilômetros de ferrovia no entorno de Três Lagoas. Para essa construção, o governo federal liberou R$ 33.721.217,24, com contrapartida do Estado.

Uma ação ajuízada em 2014 pelo MPF cobrou a retomada da obra e liminar em 2014 da 1ª Vara da Justiça Federal de Três Lagoas determinou a retomada. A finalização do empreendimento aconteceu em dezembro daquele ano.

Em maio agora, o juiz Roberto Polini deu sentença final e um dos pedidos que ainda faltava analisar na ação do MPF, que se referia ao pedido de indenização, acabou indeferido.

"O atraso injustificado acarretou a continuidade da passagem do trem pela via urbana, aumentando o número de acidentes, atropelamentos, engarrafamentos e poluição sonora, além do prejuízo estético à orla urbanística e do risco à saúde da população, devido ao matagal resultante da construção abandonada”, informou nota do MPF, que foi ao Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3) para recorrer.

Se for acatada a apelação e tanto a ANTT como a Agesul acabarem condenadas, a multa a ser paga será revertida para o Fundo de Defesa de Direitos Difusos, do Ministério da Justiça. Quem administra esse fundo é o Conselho Federal Gestor, formado por representantes dos Ministérios do Meio Ambiente, Cultura, Saúde, Fazenda, além do MPF, da Secretaria Nacional do Consumidor, Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e representantes de entidades civis.

Regularmente há projetos que são financiados por esses recursos com valores que variam de R$ 100 mil a R$ 350 mil.

PARALISADA

O contorno ferroviária de Três Lagoas começou a ser construído em 2008 e parte chegou a ser finalizada em outubro de 2011. Contudo, não houve prosseguimento porque os executores alegaram falta de material.

Somente em 2012 os insumos foram comprados, mas ainda assim o canteiro de obras permaneceu vazio. O Ministério Público Federal tentou acordo sobre a retomada e o caso foi parar na Justiça Federal. Em liminar de 2014, foi determinado que a obra fosse finalizada no prazo de seis meses. A entrega foi feita em 17 de dezembro de 2014, com 98% da construção finalizada.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Fábrica de MDF em Água Clara oferecerá 100 novos empregos
DESENVOLVIMENTO LOCAL

Fábrica de MDF em Água Clara oferecerá 100 novos empregos

Ministério do Trabalho investigará demissão em massa na Mabel
TRÊS LAGOAS

MPT investigará demissão em massa na Mabel

Usinas de Jupiá e Ilha Solteira receberão testes de qualidade
HIDRELÉTRICAS

Usinas de Jupiá e Ilha Solteira receberão testes de qualidade

Após roubo, bandido morre em troca de tiros com PM
TRÊS LAGOAS

Após roubo, bandido morre em troca de tiros com PM

Mais Lidas