REVIVA CAMPO GRANDE

Trecho da Avenida Calógeras será interditado para obra do Reviva

Interdição será entre a Afonso Pena e a 15 de Novembro
23/07/2019 17:46 - GLAUCEA VACCARI


Trecho da avenida Calógeras, entre a Avenida Afonso Pena e a Rua 15 de Novembro, será interditado nesta quarta-feira (24), para obras do Reviva Campo Grande.

De acordo com a Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran), o bloqueio será das 5h às 11h, ficando liberada para o tráfego apenas a faixa exclusiva para ônibus.

Rotas alternativas para motoristas que utilizam a via são a Rua 13 de Maio e a Avenida Ernesto Geisel.

REVIVA

As obras do Reviva Campo Grande têm previsão de entrega para o fim de novembro deste ano. Atualmente, estão interditados dois trechos da 14 de Julho: a quadra entre a Rua Antônio Maria Coelho e Avenida Mato Grosso e a da Barão do Rio Branco até a Dom Aquino.

Conforme a empreiteira responsável pela obra, A Engepar, os serviços de esgotamento sanitário e drenagem já foram finalizados e ainda estão em execução abastecimento de água, pavimentação das pistas de rolamento e das calçadas, mobiliário urbano, sinalização viária, telecomunicações, rede de iluminação pública e infraestrutura.

A requalificação ainda passa pela instalação de luminárias com LED, wi fi, câmeras de segurança e preservação do patrimônio histórico cultural.  

A Rua 14 de Julho passa por obras em uma extensão de 1.400 metros, da Avenida Fernando Corrêa da Costa até a Avenida Mato Grosso. A conclusão dos espaços se dará com a retirada dos postes e a implantação do paisagismo, previstos para depois do mês de agosto.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".