NÚMERO CORRIGIDO

Tragédia na BR-163 matou quatro pessoas na hora e nove estão em hospitais

Polícia Civil chegou a informar que seis haviam morrido, mas número foi corrido
12/08/2015 09:05 - ALINY MARY DIAS


 

O acidente grave que terminou em tragédia na BR-163 em Eldorado, cidade distante 440 quilômetros da Capital, causou a morte de quatro pessoas e não seis, como informado ontem (11) pela Polícia Civil e pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). De acordo com o boletim de ocorrência, um casal sobreviveu ao acidente.

Assim como já havia sido informado pela Polícia Civil, morreram no local do acidente as adolescentes Paola de Avila Telles e Gabriela Camargo da Silva, ambas de 15 anos, e os adultos Almir José Canavezi, de 47 anos e Milton Camargo da Silva, de 43 anos.

O casal Elizete Chaves Avila, de 33 anos e Josimar de Avila, que não teve idade confirmada, foi socorrido com vida e não morreu, como a reportagem publicou ontem.

O motorista responsável pelo acidente, David Junior Souza Cabral, que conduzia um caminhão carregado com pedras, não conseguiu parar e atingiu outros oito veículos que estavam parados em uma fila, foi detido, ouvido na delegacia de Eldorado, mas liberado em seguida.

De acordo com o delegado que responde pela cidade, Thiago Lucena, nove pessoas ficaram feridas, entre elas vítimas de bastante gravidade. Por isso, houve confusão na quantidade de óbitos confirmados.

Todas as vítimas socorridas estão sendo atendidas em hospitais de Dourados e Mundo Novo. Algumas delas passam por cirurgia.

ACIDENTE

Segundo testemunhas, por conta de obras na pista, a rodovia estava em Operação Pare e Siga da concessionário CCR MSVia. No entanto, um caminhão carregado com pedra, perdeu o freio, não conseguiu parar e atingiu vários outros veículos que esperavam autorização para passar pelo trecho interditado.

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".