FENÔMENO

Tempo abre e eclipse da Lua é visto a olho nu em Campo Grande

Lua cheia está parcialmente sombreada pela Terra
16/07/2019 18:17 - GLAUCEA VACCARI


 

No dia em que se comemora 50 anos da chegada do homem a Lua, um eclipse lunar pode ser visto no Mato Grosso do Sul e em todas as regiões do Brasil nesta terça-feira (16). Em Campo Grande, o dia amanheceu nublado, mas o céu abriu durante a tarde e a população pode acompanhar o fenômeno a olho nu.

Eclipse parcial começou às 16h (horário de MS) e deve durar até por volta das 21h. O fenômeno ficou ainda mais bonito devido a Lua entrar hoje na fase cheia.

Ao contrário do que acontece no eclipse solar, o lunar poder ser observado a olho nu, sem perigo à saúde. Apesar de não ser necessário o uso de telescópio, ele é recomendado para quem deseja visualizar melhor o fenômeno.

ECLIPSE

Um eclipse lunar ocorre quando o sol, a Terra e a Lua estão alinhados e a Lua penetra no cone de sombra produzido pela Terra, ou seja, a Lua fica bem atrás da Terra, que bloqueia a luz solar que normalmente a ilumina. No caso do eclipse parcial, que é o caso de hoje, a lua não é inteiramente encoberta e não fica totalmente às escuras.

O próximo eclipse lunar ocorrerá em 10 de janeiro de 2020, mas será apenas penumbral, ou seja, a Lua penetrará a penumbra (a parte mais externa do cone de sombra formada pela Terra), tornando o fenômeno quase imperceptível.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".