Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

PESCA E TURISMO

Suspensão de cota zero pode dizimar atividade econômica, diz Azambuja

Governador afirmou que sem preservação de peixes acaba atividade de pesca e turismo

18 NOV 19 - 19h:43GLAUCEA VACCARI E SÚZAN BENITES

Governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, voltou a defender o decreto da cota zero, argumentando que a medida visa aumentar o estoque de peixes e não impede a pescaria ou o consumo de peixes, mas o transporte do pescado. O chefe do Executivo Estadual afirmou que está em conversa com o Ministério Público Federal, que recomendou suspensão temporária do decreto, e com setores que são a favor e contra a medida.

“Nós abrimos um diálogo. Acho que a gente tem que colocar no entendimento que os estoques [de peixes] estão diminuindo. Se nós não preservarmos, principalmente estas espécies, nós não teremos mais peixes e aí, não tendo peixes, não tem pescador artesanal, não tem pescador amador e não tem o turista. Quer dizer, você acaba dizimando toda uma atividade econômica”, afirmou Azambuja, na tarde desta segunda-feira (18).

Secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck, também afirmou que o governo está dialogando com grupos que fizeram reivindicações e tem até o dia 20 de dezembro para responder todos os questionamentos pelo MPF em recomendação.

“O governo está analisando. A cota zero vai ser mantida de qualquer forma, não vamos revogar o decreto, o que está sendo discutido é um ou dois pontos da medida, essa que é a questão fundamental e nós temos que dar resposta até dezembro até para que essas pessoas e os hotéis possam se preparar caso venha a ter uma modificação”, afirmou Verruck.

RECOMENDAÇÃO

Ministério Público Federal em Corumbá recomendou que o Governo de Mato Grosso do Sul suspenda temporariamente os efeitos do decreto estadual da Cota Zero, que terá validade para pescadores amadores ou desportistas a partir de março de 2020. Na recomendação, MPF pede que o Executivo Estadual aguarde aprovação de um novo texto, resultante de atividades conjuntas voltado para a transparência do debate.

De acordo com o MPF, as alterações na legislação de pesca do Estado, introduzidas pelo Decreto Estadual nº 15.166/2019, especialmente quanto aos tamanhos máximos e mínimos de pescados e a redução da cota para pesca amadora e esportiva na temporada 2019 e a instituição da cota zero a partir de 2020 impactam a atividade de pescadores profissionais artesanais e podem torná-los vulneráveis, tendo em vista a dependência econômica da atividade pesqueira.

Principal ponto de resistência entre os pescadores é o tamanho estabelecido para os exemplares de pescados, que poderão ser revistos pelo Executivo Estadual, que já anunciou que um estudo técnico será realizado para definir se haverá necessidade de revisão .

A cota zero para a pesca amadora tem o objetivo de recuperar os estoques pesqueiros. A proibição vale para o transporte do pescado. Após o fim do defeso, em 28 de fevereiro de 2020, o pescador poderá fazer a prática do “pesque e solte” e até consumir o pescado na beira do rio. Mas se quiser levar um peixe para casa, deverá adquirir um peixe no comércio varejista e levar a nota fiscal e a guia de controle.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Prefeitura não comparece, mas Consório e sindicato fecham propostas
REAJUSTE DOS MOTORISTAS

Prefeitura não comparece, mas Consório e sindicato fecham propostas

Viajantes podem enviar cartão de Natal grátis para qualquer lugar do Brasil
CAMPO GRANDE

Viajantes podem enviar cartão de Natal grátis para qualquer lugar do Brasil

Em fazendas, trabalhadores são resgatados em condições de escravidão
INTERIOR

Em fazendas, trabalhadores são resgatados em condições de escravidão

Alimentação na Cidade do Natal custará de R$ 3 a R$ 30
CONFIRA O CARDÁPIO

Alimentação na Cidade do Natal custará de R$ 3 a R$ 30

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião