Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

DENÚNCIA DE CARTEL

Superintendente do Procon foi perseguido e recebeu ameaças da fronteira

Salomão prestou depoimento e caso está sendo investigado
21/02/2020 08:00 - Eduardo Miranda, Ricardo Campos Jr


 

O superintendente do Procon, Marcelo Salomão, já foi perseguido duas vezes por uma moto Titan preta e recebeu ligações misteriosas originadas de Ponta Porã, na fronteira seca com o Paraguai – conhecida pelo histórico de crimes de pistolagem. Com medo de que sua vida possa estar sob risco, ele registrou boletim de ocorrência ontem.

Tanto o gestor como o motorista dele (que terá o nome preservado) prestaram depoimento e o caso está sob investigação.

Eles contam que no dia 14 de fevereiro, enquanto Salomão concedia entrevista a um jornal de Campo Grande, o funcionário percebeu que uma moto havia estacionado do outro lado da rua. Ao terminar o compromisso, os dois entraram no carro e notaram que o veículo também deixou o local.

O motorista de Salomão traçou um caminho diferente do habitual, fazendo conversões desnecessárias para chegar ao destino, mas ainda assim o motoqueiro seguia no encalço deles. O funcionário então fez uma conversão proibida de propósito e a manobra também foi imitada pelo suspeito. Acelerando o veículo de Salomão, o motorista conseguiu despistar a moto.

Contudo, o episódio se repetiu nesta semana, enquanto o superintendente do Procon participava de um programa em uma emissora de rádio. Enquanto aguardava, o funcionário notou novamente a presença da Titan preta, que também os seguiu pelas ruas da cidade.  

Como se não bastasse, Salomão contou à polícia que está recebendo ligações anônimas. Ele atende, mas ninguém fala nada. Com um aplicativo, conseguiu identificar a origem das chamadas: Ponta Porã.

O Procon foi alvo de furto na madrugada de quinta-feira. Apenas o computador que continha os dados da pesquisa de preços feita em todos os postos de combustível de Mato Grosso do Sul foi levado.

A repartição tem uma janela de vidro que a separa da sala onde fica a equipe de pesquisa de preços. O bandido quebrou o vidro e passou para o segundo recinto, onde encontrou o notebook. Peritos estiveram no local e coletaram impressões digitais. Em dez anos, este foi o segundo furto no local.

 

Felpuda


Malfeitos que teriam sido praticados em tempos não tão remotos podem ser a pedra no caminho de pré-candidatura que está sendo costurada. As conversas ainda estão nas “ondas da rádio-peão”, mas, com a proximidade da campanha eleitoral, há quem diga que isso se tornará uma tremenda dor de cabeça para quem vai enfrentar as urnas. Pior:  o dito não seria culpado direto, mas sim a sua...  Bem, deixa rolar para ver onde vai parar.