Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

BRASIL

STF já tem 4 votos para enquadrar homofobia na lei dos crimes de racismo

21 FEV 19 - 23h:30FOLHAPRESS

Três ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) votaram nesta quinta-feira (21) por enquadrar a homofobia e a transfobia na lei que define os crimes de racismo até que o Congresso aprove uma legislação específica para punir quem discriminar, ofender ou agredir homossexuais e transexuais por causa de sua orientação sexual ou identidade de gênero.

Na quarta (20), o decano da corte, ministro Celso de Mello, já havia votado nesse sentido. Somaram-se a ele os ministros Edson Fachin, Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, totalizando quatro votos até agora. Para o plenário ter maioria, são necessários no mínimo seis votos.

O julgamento foi interrompido por volta das 18h25 por causa do horário. Faltam os votos de sete ministros. O presidente da corte, Dias Toffoli, disse que ainda marcará uma data para a continuidade do julgamento porque na próxima sessão, na quarta que vem (27), há outros processos que precisam ser analisados.

Estão em julgamento dois processos que pedem que o STF reconheça a omissão do Congresso ao deixar de criminalizar a homofobia. Os autores são a ABLGT (Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transexuais) e o PPS, que acionaram o tribunal em 2012 e 2013.

Relator de um desses processos, o ministro Fachin afirmou que o Congresso já tomou iniciativas a fim de criminalizar atitudes discriminatórias -como a Lei do Racismo, de 1989, e a que tipificou o crime de injúria contra idosos, em 2003-, mas deixou de fora os homossexuais e transexuais.

"Afirmar que uma República -que tem por objetivo 'promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação'- tolera alguns atos atentatórios à dignidade da pessoa humana, ao tempo em que protege outros, é uma leitura incompatível com o texto constitucional", disse Fachin.

"Nada na Constituição autoriza a tolerar o sofrimento que a discriminação impõe. Toda pessoa tem o direito de viver em uma sociedade sem preconceitos. Toda pessoa deve ser protegida contra qualquer ato que atinja sua dignidade", afirmou.

A exemplo de Celso de Mello, Fachin declarou a omissão do Congresso e incluiu a homofobia no conceito de racismo. Para o ministro, a Constituição determina a criminalização de atos discriminatórios, e a solução proposta não implica usurpar a atribuição do Congresso de legislar, pois se está recorrendo a uma lei que já existe -a Lei do Racismo.

"Não é extensão nem analogia com racismo. Invoca-se uma legislação penal já existente fazendo-se subsumir [incluir] a conduta homotransfóbica à noção de raça, e, portanto, conduzindo-se aí ao reconhecimento da prática de racismo nas manifestações de ódio contra homossexuais e transexuais", esclareceu Celso de Mello.

O trecho da Constituição desrespeitado pela omissão do Congresso, segundo os ministros, é o inciso 41 do artigo 5º, que afirma que "a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades fundamentais".

Em seu voto, o ministro Alexandre de Moraes também destacou que o Legislativo já criminalizou condutas que atentam contra vários grupos vulneráveis, como mulheres, idosos, crianças e até consumidores. "O único grupo que ficou excluído foi o da orientação sexual e identidade de gênero", disse.

"O poder público desrespeita a Constituição não só por ações. Ele desrespeita também por omissões", afirmou Moraes.

Último a votar nesta quinta, Barroso disse que a comunidade LGBTI no Brasil "é claramente um grupo vítima de preconceitos e violências". "É legítimo que o Supremo atue para fazer valer a Constituição", declarou.

Segundo o ministro, às vezes o processo político majoritário emperra, e em vários países as Supremas Cortes, como o STF, são chamadas a fazer avançar algumas demandas sociais.

No Brasil, Barroso citou como exemplo o caso da proibição de doações eleitorais por empresas, um clamor de setores da sociedade que não passava no Congresso. Em 2015, o Supremo decidiu declarar inconstitucionais as doações empresariais, à revelia do processo político.

Esse é, de acordo com o magistrado, o papel iluminista das Supremas Cortes: o de "empurrar a história mesmo contra a vontade majoritária, seja no Congresso, seja na sociedade".

Além de enquadrar a homofobia e a transfobia na lei que define os crimes de racismo, Barroso deu um passo além, propondo que elas sejam consideradas agravantes e qualificadoras de crimes de homicídio -o que faz aumentar a pena para o assassino. Essa proposta ainda não foi discutida pelos demais ministros.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Justiça suspende operações em mais uma barragem da Vale

BRASIL

STJ reduz pena de Elize Matsunaga, condenada por esquartejar marido em SP

Mulher será indenizada em R$ 15 mil depois de ser atingida por toldo de loja
JUSTIÇA

Mulher ferida por toldo de loja será indenizada

Shopping é condenado a pagar R$ 10 mil por falsa acusação de furto
CAMPO GRANDE

Shopping é condenado a pagar R$ 10 mil por falsa acusação de furto

Mais Lidas