Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quinta, 15 de novembro de 2018

dentro do ônibus

Sindicatos querem saber se houve
excesso de PM que matou policial

Jones Borges viajava em ônibus intermunicipal e morreu com 3 tiros

14 AGO 2017Por RODOLFO CÉSAR21h:04

Os Sindicatos dos Policiais Civis (Sinpol-MS) e dos Papiloscopitas (Sinpap-MS) divulgaram nota hoje informando que cobrarão autoridades sobre a investigação do assassinato do policial civil Jones Regiori Borges, 38 anos.

Ele foi morto pelo policial militar Wagner Nunes Pereira, 30 anos, com três tiros no peito, durante a madrugada de domingo. Os dois estavam em ônibus intermunicipal e ambos trabalhavam em Naviraí. A Polícia Civil divulgou que eles não se conheciam.

As entidades de classe ressaltaram que a investigação precisa confirmar se houve ou não excesso por parte do PM, que atua na corporação por 11 anos.

"Em respeito à família do papiloscopista Jones Borges, que foi uma pessoa honrada na vida profissional e privada, o Sinpol-MSe o Sinpap-MS exigirão a apuração das investigações para que esta situação seja corretamente esclarecida, especialmente na questão do excesso na suposta ação de defesa do Policial Militar", divulgou nota.

O policial militar relatou em depoimento que Jones aparentava estar embriagado e teria causado perturbação no ônibus durante a viagem. Foi dada voz de prisão, mas quando o PM viu que o papiloscopista estava armado ocorreram os disparos. O atirador relatou que Jones teria tentado sacar a arma.

Além do inquérito da Polícia Civil, a Polícia Militar confirmou que foi instaurado procedimento para avaliar a conduta do cabo. Ele entregou a arma do crime, foi ouvido e liberado.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também