Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

SAÚDE

Secretaria faz acordo com hospitais
para expandir atendimento

Mesmo com repasse de R$ 2,850 milhões nova unidade da Santa Casa continuará subutilizada

13 JUL 19 - 08h:37NATALIA YAHN

Para tentar sanar o déficit do atendimento médico, exames, cirurgias e leitos hospitalares, a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) deu início a uma série de ações junto aos hospitais particulares e filantrópicos de Campo Grande. O objetivo é expandir o número de vagas para internação e também disponibilizar alternativas para que pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) tenham acesso serviços normalmente deficitários - como consultas nas áreas de especialidades e cirurgias eletivas.

As negociações feitas pela Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) ocorrem com aval e participação da Secretaria de Estado de Saúde (SES). O titular da Sesau, José Mauro Filho, deu início esta semana a uma série de “visitas” aos hospitais para negociar a frente de atuação de cada um deles, sempre acompanhado do secretário da SES, Geraldo Resende. 

Um dos passos para concretizar o plano do município, foi a formalização do aditivo ao contrato da Santa Casa, que estabelece o repasse de pouco mais de R$ 2,850 milhões - R$ 1,750 em recursos do Estado e R$ 1,1 milhão do Governo Federal - para a Unidade do Trauma. O incremento nos recursos ao hospital - que mensalmente já recebe R$ 20,3 milhões -, foi formalizado ontem com a diretoria da Associação Beneficente (ABCG), que administra a Santa Casa. 

A contratualização só foi assinada após 16 meses da entrega do prédio da Unidade do Trauma - dez deles de efetivo atendimento a pacientes -, muitas reuniões e embates entre o presidente da entidade, Esacheu Nascimento, e as autoridades de saúde, tudo sob a mediação da promotora Filomena Fluminhan. “Eu sei que não é o montante de recursos que a Santa Casa pleiteia, mas é um alento diante da situação”, afirmou Resende. A preocupação agora é com as negociações do próximo contrato, já que o atual vence no dia 31 de outubro.

Por enquanto, na prática o hospital continuará a receber conforme a produção, mas com alguns serviços extras. “Serão 160 cirurgias de pequena e média complexidade, 20 de alta e outras 20 oncológicas”, afirmou o secretário municipal de Saúde. Além disso, outros 34 leitos devem ser disponibilizados para a área de clínica médica e alguns serviços de exames também estão incluídos no “pacotão de serviços novos”.

Porém, o presidente da Santa Casa, Esacheu Nascimento, afastou a possibilidade de expandir a atuação e leitos. “O acordo com a prefeitura, naquele projeto de R$ 10 milhões (o valor pedido pelo hospital para colocar a Unidade do Trauma em funcionamento) era ocupar totalmente e unidade e manter completamente os 100 leitos de atendimento lá (no prédio principal do hospital) em outras especialidades. Com este aditivo (R$ 2,850 milhões) não conseguimos continuar integral lá e aqui, é impossível”.

ALTERNATIVA 

Para não ficar nas “mãos” da Santa Casa, o plano da Sesau é diversificar e levar para outros hospitais serviços até então oferecidos apenas no maior hospital do Estado. Com isso, apesar do município não oferecer atendimento próprio de média e alta complexidade, a intenção é deixar disponível o atendimento em unidades particulares. Os recursos para os convênios devem ser oriundos de remanejamento. Um exemplo é o serviço de radioterapia na Santa Casa, que sem capacidade de atendimento abriu mão de R$ 250 mil, valor repassado para o Hospital de Câncer Alfredo Abrão (HCAA).

A medida é por conta da ociosidade de leitos em alguns hospitais. “Temos que ampliar a rede de atendimento, e a privada tem disponibilidade em áreas críticas como pediatria, oncologia. Estamos vendo quais hospitais tem interesse em fazer”.

Na quarta-feira (10) a agenda foi no HCAA e na quinta-feira (11) no Hospital El Kadri, “para discutir a possibilidade de contratualização de serviços através da habilitação da unidade ao SUS, possibilitando assim a ampliação da oferta de procedimentos”, de acordo com a Sesau. “Temos 252 leitos com 30 de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), sendo dez neonatais. Além disso, temos mais 100 leitos no antigo Sírio Libanês que podemos ativar com 15 UTIs. E também podemos fazer atendimentos diversos e cirurgias”, afirmou Mafuci Kadri, proprietário do hospital El Kadri.

Outros hospitais também devem ser alvo das visitas dos titulares da SES e Sesau. “A conversa será com todos, até com o Hospital da Criança”, afirma o superintendente de relações institucionais da Sesau, Antonio Lastória.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Castração de gatos estará disponível nesta segunda
AGENDAMENTO

Castração de gatos estará disponível nesta segunda

Licitação pública de ponte sobre rio Paraguai será lançada no sábado
PORTO MURTINHO

Licitação pública de ponte
será lançada amanhã

Pela terceira vez, MPE quer <br> guardas municipais na prisão
PISTOLAGEM

Pela terceira vez, MPE quer
guardas municipais na prisão

BRASIL

MPF pede suspensão de urgência em concurso da Polícia Rodoviária Federal

Mais Lidas