Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

BRASIL

Schvartsman e três diretores deixam comando da Vale

3 MAR 19 - 13h:57AGÊNCIA ESTADO

O presidente da Vale, Fabio Schvartsman, e três diretores da mineradora apresentaram ontem cartas ao Conselho de Administração da empresa solicitando o afastamento temporário do comando da companhia. O conselho se reuniu ontem à tarde por teleconferência e aceitou os pedidos.

A decisão foi tomada por causa das pressões de integrantes da força-tarefa que investiga o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, que deixou 186 mortos e 122 pessoas desaparecidas. Um documento com o pedido de afastamento deles da direção da empresa, assinado por representantes do Ministério Público Federal (MPF), Ministério Público Estadual de Minas Gerais (MPMG) e Polícia Federal foi entregue na sexta-feira, 1º, a advogados da empresa.

A força-tarefa pedia ainda que empregados não compartilhassem nenhuma informação profissional com as pessoas cuja saída da Vale foi recomendada. Além do presidente, também integram o grupo citado pela força-tarefa o diretor executivo de ferrosos e carvão, Gerd Peter Poppinga, o diretor de planejamento, Lúcio Flávio Gallon Cavalli, e o diretor de operações do corredor sudeste, Silmar Magalhães Silva.

Na carta, a qual o Estado teve acesso, Schvartsman afirma: "Tomei a decisão, nesta hora, em benefício da continuidade das operações da companhia e do apoio às vítimas e a suas famílias, de solicitar a esse Conselho, respeitosamente, que aceite o pedido de meu afastamento temporário das funções de diretor presidente da Vale".

Os integrantes da força-tarefa dizem que a atuação dos executivos junto aos empregados estaria atrapalhando as investigações. Além disso, a divulgação pela empresa do acordo para pagamento do auxílio emergencial para os atingidos como uma iniciativa da empresa provocou desconforto. De acordo com o promotor de Justiça do Ministério Público de Minas Gerais André Sperling, a empresa pretendia pagar o auxílio apenas aos moradores das duas localidades mais atingidas - Parque da Cachoeira e de Córrego do Feijão -, mas foi obrigada a estender a indenização para todos os moradores de Brumadinho.

"Não foi bem uma questão de aceitação da Vale. A Vale viu-se compelida a fazer isso. Ela queria (pagar para os moradores) Parque da Cachoeira e Córrego do Feijão", disse o promotor.

O Estado teve acesso também a um trecho da carta de renúncia dos três diretores, preparada pelo mesmo advogado. Trecho do documento diz: "Estou convencido de que nesse momento de polarização, o melhor que tenho a fazer, tanto para mim como para a Vale é solicitar o afastamento temporário de minhas funções, até que as autoridades concluam suas investigações e possam apurar, independentemente do meu cargo, de forma técnica, legal e imparcial, as causas e circunstâncias do rompimento da barragem".

Futuro

Com a saída do grupo, a Vale será conduzida, interinamente, pelos diretores remanescentes, sob o comando do diretor executivo de metais básicos, Eduardo Bartolomeo. Fontes ouvidas pelo Estadão/Broadcast dizem que não há movimentação no mercado, nesse momento, em busca de um substituto. 

A mudança definitiva só deve ocorrer em abril, após a Assembleia-Geral Ordinária de acionistas, quando também são esperadas mudanças no Conselho de Administração da companhia, com a redução do peso da Previ, que hoje ocupa quatro assentos no conselho, e o aumento da presença de conselheiros ligados ao setor de mineração. 

Em nota divulgada à noite, a Vale confirmou o afastamento de Schvartsman e dos três diretores. Além de Bartolomeo, que será o presidente interino da mineradora, a companhia confirmou que Claudio de Oliveira Alves vai assumir a área de ferrosos e carvão e Mark Travers ficará na função de diretor executivo de metais básicos. 

No documento, a empresa afirma que "permanece em prontidão, na busca de um relacionamento transparente e produtivo com as autoridades brasileiras, visando o esclarecimento dos fatos, a reparação apropriada dos danos e a integridade da empresa".

Avaliação de risco

Na semana passada, a pressão sobre a Vale aumentou também no campo das finanças. A agência de avaliação de risco Moody's rebaixou a nota da empresa, que perdeu o grau de investimento. 

Um segundo rebaixamento, que pode vir da agência Standard & Poor's, poderia obrigar muitos fundos de investimentos estrangeiros a se desfazerem de ações da empresa. 

O papel da mineradora já perdeu cerca 25% de seu valor desde 25 de janeiro, quando aconteceu a tragédia em Brumadinho. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Justiça suspende operações em mais uma barragem da Vale

BRASIL

STJ reduz pena de Elize Matsunaga, condenada por esquartejar marido em SP

Mulher será indenizada em R$ 15 mil depois de ser atingida por toldo de loja
JUSTIÇA

Mulher ferida por toldo de loja será indenizada

Shopping é condenado a pagar R$ 10 mil por falsa acusação de furto
CAMPO GRANDE

Shopping é condenado a pagar R$ 10 mil por falsa acusação de furto

Mais Lidas