Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

RONDANDO NO PAÍS

Saúde investiga caso suspeito de sarampo em Campo Grande

Criança de 10 meses apresentou sintomas e foi internada
21/08/2019 19:00 - GLAUCEA VACCARI E NATALIA YAHN


Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) investiga um caso suspeito de sarampo em Campo Grande, sendo uma criança 10 meses a possível vítima da doença.

De acordo com gerente de imunização da Sesau, Veruska Lahdo, a mãe da menina viajou com ela para São Paulo e, já de volta a Capital, a criança começou a apresentar sintomas, sendo levada para o Hospital Infantil São Lucas.

Por conta da suspeita de sarampo, foi feito o bloqueio vacinal na unidade, ou seja, pessoas que tiveram contato com a menina foram imunizadas. O mesmo caso ocorreu na semana passada, quando 90 pessoa foram vacinadas depois de ter com um médico, que veio de São Paulo visitar a família, e também apresentou suspeita da doença.

A mãe da criança revelou aos médicos que a menina não estava imunizada devido ao fato de a primeira dose ser aplicada a partir de 1 ano.

BRASIL

O sarampo se espalha pelo País. Da semana passada para cá, subiu de 4 para 11 o número de Estados que enfrentam surto da doença. Em três meses, foram confirmadas 1.680 infecções, a maior parte delas em São Paulo (1.662). Mais 7.487 estão em investigação e 1 mil foram descartados após análise.

Com o aumento de registros, o Ministério da Saúde expandiu a recomendação da vacina a todos os bebês do País de 6 meses a um ano.

Batizada de dose zero, essa aplicação não dispensa as vacinas regulares, aplicadas aos 12 e 15 meses. Essa seria uma dose para dar proteção adicional.

Até o momento, não foi confirmada nenhuma morte por sarampo. Além de São Paulo, os casos da doença foram registrados no Rio (6), Pernambuco (4), Bahia (1), Paraná (1), Goiás (1), Maranhão (1), Rio Grande do Norte (1), Espírito Santo (1), Sergipe (1) e Piauí (1).

Embora o sarampo tenha ressurgido no País no ano passado, a cobertura vacinal está bem abaixo do que seria considerado ideal "(A doença) é muito difícil de se controlar rapidamente", afirma o pesquisador da Fiocruz Cláudio Maierovitch.

* Com agências

 

Felpuda


Tudo indica que o MDB não conseguiu convencer o PSDB de iniciar namoro com vistas a casamento nas eleições, e a ideia teria sido descartada. Os tucanos demonstraram que o problema deles não é o cargo: os emedebistas ofereceram a vaga de vice na disputa à Prefeitura de Campo Grande, a mesma cobiçada pelos tucanos, mas na chapa do PSB do atual prefeito. A questão, politicamente falando, seria, digamos, o oferecido “noivo”. Afe!