Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

SEM DINHEIRO

Santa Casa cobra repasse e paralisa cirurgias eletivas

São cerca de 250 procedimentos cancelados desde sexta; hospital afirma que dívida é de R$ 24 milhões

29 OUT 19 - 12h:45DAIANY ALBUQUERQUE

A Santa Casa de Campo Grande, maior hospital do Estado, paralisou a realização de cirurgias eletivas desde sexta-feira (25) porque, segundo o hospital, está com o repasse mensal que recebe do poder público em atraso desde julho deste ano.

De acordo com o diretor-presidente da Associação Beneficente de Campo Grande (ABCG), Esacheu Nascimento, entidade que mantém o centro médico, o hospital não tem medicamentos suficientes para atender a demanda de cirurgias eletivas e também os atendimentos de urgência e emergência.

Por dia, a Santa Casa realiza cerca de 150 cirurgias, sendo que dessas, pelo menos 50 são eletivas, o que significa de desde sexta-feira, aproximadamente 250 pessoas não tiveram seus procedimentos agendados realizados.

Esacheu afirma que o hospital precisa receber R$ 18,6 milhões da contratualização, sendo R$ 8,7 milhões do Governo do Estado, R$ 6,9 milhões da Prefeitura e mais R$ 3 milhões da administração municipal pelo atendimento de alta complexidade.

Além de mais R$ 6 milhões que a gestão do hospital cobra da Prefeitura, referente ao atendimento do plano de saúde dos servidores municipais, vinculado ao (IMPCG).

O valor será usado para pagamento dos médicos, já que uma parte do corpo clínico ainda não recebeu. Conforme Esacheu, os profissionais autônomos e os que são pessoa jurídica não receberam e com elas a Santa Casa tem uma dívida de R$ 8 milhões, incluindo os valores deste mês.

O hospital afirma que já acionou o Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MPMS) para providências, mas Nascimento diz que não recebeu nenhuma devolutiva, nem do MP e nem da administração municipal. “Nosso contrato é com a Prefeitura, então quando não há um repasse é ela que cobramos”.

O hospital ainda afirma que na semana passada a Prefeitura da Capital encaminhou R$ 1 milhão e que na segunda-feira (28) outros R$ 1,3 milhão foi depositado para a entidade pela administração.

EMPRÉSTIMOS

Para tentar resolver o problema da falta de medicamentos, o hospital realizou um empréstimo de R$ 10 milhões com o banco Daycoval. A compra dos novos medicamentos foi feita na segunda-feira, porém, a entrega demora cerca de sete dias, ou seja, nesse período, as cirurgias eletivas deverão continuar paralisadas.

Segundo o diretor-presidente, além deste empréstimo, a Santa Casa já tinha um empréstimo de R$ 140 milhões com a Caixa Econômica Federal (valor sem os juros). No caso da Caixa, as taxas são de 22%, já no caso do Daycoval os juros são um pouco menores, de 12%.

Esacheu afirma que esse valor dos empréstimos vem desde a época em que o hospital sofreu uma intervenção do poder público. “Aquilo é fruto da dívida que nós recebemos da Santa Casa, não é dívida que nós fizemos. O problema é que nós recebemos R$ 168 milhões de dívidas, paguei R$ 30 milhões, e de repente eu tenho que pegar outro empréstimo para poder cobrir e tocar o hospital”, declara. A intervenção do hospital durou oito anos e terminou em 2013.

O sistema foi implantado porque no fim de 2004 a Justiça decidiu que a ABCG deveria ser afastada da direção por conta da falta de dinheiro, superlotação, das dívidas e das condições de atendimento aos pacientes. A Santa Casa chegou a suspender os atendimentos. A junta interventora era formada pelos governos municipal e estadual, com o apoio do Ministério Público.

ADMINISTRAÇÃO

A reportagem entrou em contato com a administração municipal, que confirmou que realmente uma parte do repasse de julho e o integral de agosto e setembro não haviam sido pagos. O valor chega a R$ 15,9 milhões e será avaliado pela Secretaria Municipal de Finanças (Sefin).

“A medida do possível esses repasses serão normalizados”, declarou a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau).

A reportagem entrou em contato com o Governo do Estado, mas até o fechamento desta matéria não havia resposta.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Sequestradores teriam feito adolescente cavar própria cova
ANTES DE SER MORTO

Sequestradores teriam feito adolescente cavar própria cova

Polícia estima que até 20 bolivianos eram traficados  através de Corumbá
POR SEMANA

Polícia estima que até 20 vítimas
de tráfico entravam por Corumbá

City tour terá passeios gratuitos durante a Cidade do Natal neste ano
FIM DE ANO

City tour terá passeios gratuitos durante a Cidade do Natal neste ano

Jovem de 14 anos se afoga em piscina do Círculo Militar
SUSTO

Jovem de 14 anos se afoga em piscina do Círculo Militar

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião