CAMPO GRANDE

Sanesul inicia projeto para recuperar Casa do Pantanal

Espaço no Parque das Nações Indígenas está fechado
06/06/2019 11:26 - RAFAEL RIBEIRO


 

Dias após a Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul (Sanesul) assumir o controle e a administração da Casa do Pantanal, localizada dentro do Parque das Nações Indígenas, uma equipe técnica já iniciou estudos para elaboração do projeto que pretende reformar o espaço.

A engenheira ambiental da Saneul, Dulcélya Mônica de Queiroz Souza, responsável pela Gerência de Meio Ambiente da autarquia, e o arquiteto da Agesul, Adanilto Faustino de Souza Junior, estiveram na tarde de quarta-feira (5) na Casa do Pantanal para uma vistoria técnica. Também esteve presente o gestor do Parque das Nações Indígenas, Odilon Luiz Rigo.

O espaço, que hoje encontra-se fechado, será totalmente reformado e readequado pela Sanesul. Nele serão promovidas atividades ambientais, culturais e também ações educativas sobre a importância do saneamento básico.

De acordo com o diretor-presidente da Sanesul, Walter Carneiro Junior, a ideia é também oferecer no local cursos, palestras, oficinas, eventos, encontros, reuniões, teatros, campanhas, exposições, entre outros.

“Será um espaço aberto à comunidade para a democratização da informação ambiental. Também pretendemos fornecer a possibilidade de reflexão e construção do pensamento voltado ao meio ambiente, saneamento e ações educacionais que caminhem em direção à sustentabilidade de Mato Grosso do Sul”, disse Júnior.

O termo de cessão foi assinado no dia 23 de maio pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB), o presidente da Sanesul e o secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck.

O projeto que será executado no Parque das Nações Indígenas faz parte da comemoração dos 40 anos da empresa estatal.

Na estrutura, também será disponibilizada uma sala especial com equipamentos, mapas, documentos, fotografias, projetos de engenharia, entre outros, que retratam a história do saneamento básico nos municípios operados pela estatal.

HISTÓRICO

A Casa do Pantanal está localizada no Parque das Nações Indígenas, na região leste de Campo Grande. O projeto foi concebido e idealizado pela Fundação Manoel de Barros, com início em 2005, na gestão Zeca do PT.

A Fundação obteve recursos do Ministério do Turismo para construir a casa, em estilo de casa de fazenda. O Governo do Estado cedeu o terreno, e a Pasta cedeu R$ 600 mil reais e a Fundação Manoel de Barros entrou com contrapartida de R$ 200 mil para a construção da casa, que foi terminada em 2012, na gestão de André Puccinelli (MDB).

Em dezembro de 2013 foi realizado um Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Financeira, pela Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de MS (Fundect) e pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

A nova proposta do Projeto Casa do Pantanal não se distanciava do projeto original. A adequação foi elaborada de forma a tornar o espaço mais versátil. Outro aspecto relevante é manter a rusticidade da casa.

A proposta original da Casa do Pantanal era de valorizar a preservação e divulgação da Memória Cultural do Pantanal de Mato Grosso do Sul, conforme anunciado em 2015, primeiro ano da gestão de Rein aldo Azambuja (PSDB).

"O Projeto Casa do Pantanal é um ambiente concebido não só para preservar os bens culturais mais significativos, como também para ser um lugar permanente de exposição de objetos e de imagens relevantes para a criação de um acervo da memória social, cultural, política e econômica do Pantanal. A Casa do Pantanal pretende ser um ponto de referência no Estado, para turistas, estudantes e admiradores que desejarem conhecer um pouco da memória pantaneira", diz texto publicado no sítio oficial da Fundação de Cultura.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".