CAMPO GRANDE

Ruas do Centro serão interditadas para realização de obras

Rua 14 de Julho e 13 de Maio terão trechos bloqueados; Veja demais locais
24/01/2020 18:59 - GLAUCEA VACCARI


 

Durante o fim de semana, a Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran) irá interditar vias de Campo Grande para realização de obras e eventos. Entre os bloqueios, está a faixa de estacionamento da Rua 14 de Julho, no trecho revitalizado pelo Reviva, para manutenção dos cabos subterrâneos.

Também na região central, a Rua 13 de Maio, que está com pistas bloqueadas desde o último sábado (18), segue interditada por tempo indeterminado para obras. A via funciona em apenas uma faixa para o tráfego de veículos.

Orientação é para que os condutores e pedestres tenham atenção redobrada nos locais interditados e, no caso, de motoristas, procurem rotas alternativas e não passem pelo local de interdição, que caracteriza infração de trânsito passível de multa. 

Confira os  locais e horários das interdições:

SÁBADO (25)
Motivo: Lançamento de Reforma
Endereço: Rua Alvilandia entre as ruas Rio Dourado e Rio Brilhante
Horário: 07h às 12h

ATÉ DOMINGO (26)
Motivo
: Evento Religioso
Endereço: Rua Pinto D’Água entre as ruas Mocho e Carancho
Horário: 18h às 23h

ATÉ DIA 31 DE JANEIRO
Motivo
: Manutenção dos Cabos Subterrâneos
Endereço: Rua 14 de Julho entre as avenidas Fernando Correa da Costa e Mato Grosso (Faixa de Estacionamento)
Horário: 08h00 às 17h00

PERÍODO INDETERMINADO
Motivo
: Obra
Endereço: Rua 13 de Maio, N° 1516 (Faixa de Estacionamento)
Horário: Integral

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".