OLÍMPIADA

Robôs do IFMS conquistam sete vagas para etapa estadual

A etapa estadual acontece dias 26 e 28 de agosto, em Coxim
20/08/2015 14:21 - DA REDAÇÃO


 

Estudantes do Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS) conquistaram sete das nove vagas disponíveis para a etapa estadual da Olimpíada Brasileira de Robótica (OBR), que será promovida entre os dias 26 e 28 de agosto, em Coxim.

As equipes se classificaram ao vencer as etapas regionais da competição, promovidas na semana passada nos campi Aquidauana, Campo Grande, Coxim e Ponta Porã.

As vitórias foram na categoria nível 2, voltada para o ensino médio. Também puderam participar estudantes de escolas públicas e privadas.

Os competidores precisaram construir e programar robôs capazes de percorrer uma pista, que simula uma área de desastre, desviando de obstáculos.

O vencedor da fase estadual irá representar Mato Grosso do Sul na etapa nacional da Olimpíada, no final de outubro, em Uberlândia (MG).

Há um semestre participando do grupo de robótica, o estudante Muriel Leandro da Silva, 16, conquistou o primeiro lugar da regional com a equipe Spark.

“Sempre me interessei pelo assunto, por isso quis participar do grupo. Como foi a primeira vez que competi, não esperava ganhar, então foi excelente. Agora, espero vencer a etapa estadual”, afirmou o estudante, que pretende permanecer no grupo de robótica até sair do IFMS.

Na Capital, o Instituto conquistou a primeira e a segunda classificação, com a Quick Fix e Motor Possante V2, respectivamente. A terceira colocada, equipe Ace, é do Colégio Montessori.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".