terça, 14 de agosto de 2018

Líder do Narcosul

Responsável por condenar Cabeça Branca, juiz aguarda transferência do preso para MS

Em 2014, barão do tráfico internacional de drogas foi condenado a 34 anos de prisão pelo Juiz Federal Odilon de Oliveira

2 JUL 2017Por RENAN NUCCI12h:06

Preso no sábado durante Operação Spectrum, Luiz Carlos da Rocha, o Cabeça Branca, um dos traficantes mais procurados pela Polícia Federal e a Interpol na América do Sul, pode ser transferido para Mato Grosso do Sul. De acordo com a Polícia Federal, a tendência é de que ele fique no presídio federal do município de Catanduvas (PR), porém não está descartada a possibilidade dele ser transferido para a unidade de Campo Grande.

O entendimento do juiz Odilon de Oliveira, titular da 3ª Vara da Justiça Federal em Campo Grande e responsável por condená-lo a 34 anos de prisão por tráfico internacional de drogas e lavagem de dinheiro, é de que ele virá. Odilon disse hoje, ao Portal do Correio do Estado, que aguarda decisão do Ministério Público Federal (MPF) quanto à transferência de Rocha, considerando que ele tem outras duas condenações - as três juntas ultrapassam os 50 anos. 

"Seria o correto, no meu entendimento, para darmos andamento aos processos, mas não posso antecipar decisão judicial", explicou o juiz. Até o fechamento desta edição, a Polícia Federal não havia informado sobre o paradeiro de Rocha, capturado em Sorriso (MT). Apesar da expectativa do juiz, não é descartada hipótese de que ele vá para Brasília (DF).

Em 2014, Rocha foi condenado por Odilon, juntamente com outros sete traficantes, entre eles o sócio Jorge Rafaat Toumani, executado em operação de guerra no dia 15 de junho do ano passado, em Pedro Juan Caballero, no Paraguai. Na sentença, a justiça sequestrou sete aeronaves e seis fazendas em cifras milionárias ligadas à organização.

Em maio deste ano, a 3ª Vara da Justiça Federal leiloou uma das fazendas que pertencia a Rocha, situada na zona rural da cidade de Primeiro de Maio, no interior do Paraná - não houve arremate. Conforme o juiz, a propriedade era usada como entreposto estratégico da quadrilha que, com aporte de Rafaat, agia na linha internacional com Ponta Porã. "As fazendas eram compradas para lavagem de dinheiro", explicou.

Ameaças ao Juiz

Com mais de 30 anos de dedicação ao tráfico, Rocha foi responsável pela criação do Narcosul, esquema de distribuição de entorpecentes entre os países da América do Sul. Por meio de acordo com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), facções criminosas brasileiras como Primeiro Comando da Capital (PCC) e Comando Vermelho (CV), bem como com o crime organizado na Bolívia, Paraguai e Venezuela, fez de Mato Grosso do Sul um dos maiores corredores de drogas do planeta, embora também operasse pelo Mato Grosso e Paraná.

Desde o final da década de 90 era procurado por meio de mandados de prisão expedidos por Odilon que, no início da década seguinte, passou a atuar em Ponta Porã, na fronteira com Pedro Juan Caballero, onde Rocha costumava transitar junto com Rafaat. Em razão da busca incessante, o narcotraficante fundou um consórcio, juntamente com mais comparsas, para caçar e matar Odilon, assim como Robert Acevedo, à época diretor [governador] do departamento paraguaio de Amambay e que colaborava com a Justiça."Era muito difícil prendê-lo, porque ela não ficava no Brasil e tinha grande influência política e trânsito livre na América Latina".

Por causa das ameaças, o juiz precisou de reforço na segurança particular. "Ele dizia que iria me matar, fazer picadinho e depois alimentar os porcos e jacarés da fazenda. Eram graves ameaças descobertas por meio da inteligência policial. Em 2015 cheguei a ser alvo de atentado em hotel de trânsito do Exército na Fronteira. Por isso precisei de mais seguranças".

Operação Spectrum

 A Polícia Federal deflagrou no sábado a Operação Spectrum para desarticular organização criminosa transnacional especializada em tráfico internacional de drogas e lavagem de dinheiro, comandada por Rocha, considerado como um dos “barões das drogas” do Brasil ainda em liberdade.

 A organização dele possuía perfil de extrema periculosidade e violência, sendo desvendada durante as investigações a utilização de escoltas armadas, ações evasivas, carros blindados, ações de contra vigilância a fim de impedir a proximidade policial, porte de armas de grosso calibre, bem como o emprego de ações violentas e atos de intimidação para se manter em atividade por aproximadamente 30 anos no tráfico internacional de drogas e lavagem de dinheiro

. O grupo criminoso capitaneado por Cabeça Branca operava como uma estrutura empresarial, controlando e agindo desde a área de produção em regiões inóspitas e de selva em países como a Bolívia, Peru e Colômbia, até a logística de transporte, distribuição e manutenção de entrepostos no Paraguai e no Brasil, fixando-se também em áreas estratégicas próximas aos principais portos brasileiros e grandes centros de consumo, dedicando-se à exportação de cocaína para Europa e Estados Unidos. 

 

Leia Também