Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

BRASIL

Relator diz que observará questões sobre impacto de regra de militares na reforma

14 AGO 19 - 13h:39ESTADÃO CONTEÚDO

O relator do projeto de lei que aperta as regras de aposentadoria das Forças Armadas e, ao mesmo tempo, dá reajustes e gratificações à carreira, deputado Vinícius Carvalho (PRB-SP), afirmou nesta quarta-feira, 14, que "não abrirá mão de observar as questões que envolvem o impacto do texto" e que buscará fazer Justiça para o setor. 

"Nós não abriremos mão de observar as questões de impacto porque é nossa responsabilidade como representantes do povo brasileiro e cuidarmos desse assunto que envolvem as Forças Armadas também é nosso dever", disse ele. 

A expectativa do governo é economizar R$ 97,3 bilhões em dez anos com a reforma na aposentadoria dos militares. A proposta também trata, no entanto, da reestruturação do setor com aumento de R$ 86,65 bilhões nos gastos públicos. Ou seja, a economia líquida com a reforma deve ser de R$ 10,45 bilhões em uma década

Apesar de ter dito nesta quarta que observará o impacto calculado no projeto, na semana passada Carvalho afirmou em entrevista ao Broadcast Político (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) que "tudo é possível" na tramitação do projeto e evitou se comprometer com a economia prevista.

Na primeira reunião da comissão especial, ele afirmou também que o projeto fará "Justiça" às Forças Armadas e destacou que, por não ser militar, sua atuação não terá uma conotação de corporativismo. "Então chegou a hora de nós aqui fazermos o debate necessário para podermos fazer justiça para aqueles que mesmo sem conhecermos estão resguardando a segurança nacional", disse. 

O presidente da comissão, José Priante (MDB-PA), afirmou que o primeiro debate deverá ser realizado com o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo. Não há data marcada ainda. Para ele, a discussão do projeto deve levar em conta que ele se trata de uma "matéria de Estado, e não de governo".

Carvalho deverá apresentar seu cronograma de trabalho na próxima terça-feira, 20. Priante explicou no início da reunião que os deputados terão o prazo de cinco sessões do plenário, contando a partir da próxima sexta-feira, 16, para a apresentação de emendas, e o relator terá o prazo de dez sessões para apresentar o seu parecer. 

O líder do governo na Câmara, Vitor Hugo (PSL-GO), também ressaltou que a proposta é uma questão de Estado e é suprapartidária. "Acredito que até mesmo a oposição entende que as Forças Armadas são uma questão de Estado e precisam de um reconhecimento", disse. 

Para ele, a reestruturação das carreiras também irá resgatar a meritocracia e trará modernização para o setor.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Brasil articula criação de centro de aprimoramento de gado leiteiro na Índia
MISSÃO

Brasil articula criação de centro de aprimoramento de gado leiteiro na Índia

PT escala Pedro Kemp <BR>para tentar se reerguer
ELEIÇÕES 2020

PT escala Pedro Kemp
para tentar se reerguer

MOBILIZAÇÃO

Militantes juntam assinaturas para que organização de Bolsonaro vire partido

Grupo precisa de 500 mil pessoas em todo o país; meta da Capital é mil assinaturas
Redação teve critérios obscuros, denunciam professores
VESTIBULAR DA UFMS

Redação teve critérios obscuros, denunciam professores

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião