Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 11 de dezembro de 2018

EFEITO CASCATA

Reajuste do STF vai impactar folha do Estado em R$ 110 milhões, diz Azambuja

Efeito cascata do reajuste aumentará gastos com pessoal em R$ 8,9 milhões

7 DEZ 2018Por GLAUCEA VACCARI E RENATA VOLPE HADDAD19h:17

O efeito cascata do reajuste dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) deve refletir na folha de pagamento de Mato Grosso do Sul. Segundo o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), só de reajuste, o aumento deve ser de R$ 110 milhões por ano.

“Cria uma preocupação enorme para nós, pois quando for implantado, aumenta na folha do Estado R$ 8,9 milhões por mês”, disse Azambuja.

A afirmação foi feita na tarde de hoje, durante agenda pública na Associação de Municípios de Mato Grosso do Sul (Assomassul).

O governador também se disse preocupado pois, segundo ele,começará 2019 já no teto do limite de gastos com pessoal.

“Acho que foi uma loucura do Supremo votar isso num momento de restrição fiscal. Os estados estão sem recursos, os municípios também. Aí se aumenta despesa com pessoal que tem os maiores salários, acaba impactando as contas públicas. Mais um problema para ser resolvido”, finalizou o governador.

REAJUSTE

O presidente Michel Temer sancionou o projeto de lei que reajusta em 16,38% o salário dos ministros do STF. A medida foi publicada no dia 27 de novembro, no Diário Oficial da União.

Dessa foram, os salários dos ministros da Suprema Corte passa dos atuais R$ 33,7 mil para R$ 39,3 mil.
A medida gera um efeito cascata nos demais poderes e nos tribunais estaduais, cujo impacto calculado por técnicos do Senado e da Câmara é de cerca de R$ 4 bilhões por ano.

Em Mato Grosso do Sul, com base nos salários do STF, já foram reajustados os salários dos procuradores de justiça do Ministério Público Estadual, fixados em 90,25% dos vencimentos dos ministros do Supremo, que corresponde a 35,4 mil. 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também