DEODÁPOLIS

Rapaz é executado com tiros <br> na cabeça enquanto <br> caminhava em rua

Vítima chegou a ser socorrida e foi levada para hospital, mas acabou morrendo
27/08/2015 07:00 - LAURA HOLSBACK


Marcos Vinícios Monteiro Alves, 22 anos, foi executado com tiros na cabeça enquanto caminhava pela Rua Jonas Ferreira de Araújo, no Centro de Deodápolis, na noite de ontem (26). O autor do crime foi Tales José da Silva, 18 anos, de acordo com apuração da polícia.

A vítima seguia na companhia de um amigo no momento em que foi surpreendida pelos tiros. A testemunha contou que o atirador surpreendeu Marcos pelas costas quando caminhavam pela via. O assassino se aproximou em um automóvel, freou bruscamente e fez três disparos.

Dois deles acertaram a cabeça de Marcos, que chegou a ser levado ao hospital público da cidade, mas acabou não resistindo.

Segundo o amigo do rapaz, foi possível verificar que o atirador usou espingarda para cometer o crime.

BUSCAS

Policiais militares receberam denúncias de que o assassino estava na casa mãe, foram ao local, mas não o encontraram. De lá, seguiram para a casa dos avós de Tales, onde apreenderam apenas o carro - modelo Tipo, documentos pessoais dele e um estojo de munição calibre 22.

Os avós disseram aos policiais que souberam que o neto havia cometido o crime, mas não sabiam informar o seu esconderijo.

O motivo do crime ainda não foi esclarecido pela polícia.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".