Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CONFUSÃO

Quarto dia de carnaval termina com três baleados e conveniência saqueada

Folião sofreu tentativa de assalto, reagiu e foi atingido por dois tiros
25/02/2020 08:19 - Izabela Jornada


O quarto dia de Carnaval, em Campo Grande, terminou com três pessoas baleadas. O primeiro crime aconteceu na Esplanada Ferroviária, aproximadamente, às 23h desta segunda-feira (24) e os outros dois casos aconteceram em uma conveniência próxima a Orla Morena. O estabelecimento acabou sendo saqueado pela multidão que estava no local.

De acordo com informações policiais, a primeira vítima estava na região da Esplanada, local onde os foliões estão se concentrando para passar o Carnaval, quando homem armado tentou roubar a vítima, porém o folião reagiu e o assaltante disparou dois tiros, um pegou no ombro da vítima e o outro na perna.

O outro caso aconteceu na madrugada desta terça-feira (25). Informações preliminares são de que confusão generalizada começou em frente a conveniência que tem sido ponto para foliões se concentrarem quando, aproximadamente, às 6h da manhã de hoje, o segurança do local fez vários disparos para tentar dispersar a multidão, porém, tiros teriam atingido duas pessoas. 

BLOCOS

O início do Carnaval aconteceu na última sexta-feira (21) e desde então, mais de 20 mil pessoas estão se reunindo na região da Esplanada Ferroviária. A festa começa às 14h, no local onde fica a tradicional Feira Central e está marcada para acabar às 23h.  

Em seguida, os foliões estão se deslocando para outros locais, para continuar a festa. Um deles é o Carnaval na Avenida Fernando Corrêa da Costa e conveniências espalhadas pela Capital.

No último sábado houve confusão na dispersão dos foliões, na região da Esplanada, porém, no domingo, de acordo com a polícia, a intervenção foi tranquila.

 

Felpuda


Malfeitos que teriam sido praticados em tempos não tão remotos podem ser a pedra no caminho de pré-candidatura que está sendo costurada. As conversas ainda estão nas “ondas da rádio-peão”, mas, com a proximidade da campanha eleitoral, há quem diga que isso se tornará uma tremenda dor de cabeça para quem vai enfrentar as urnas. Pior:  o dito não seria culpado direto, mas sim a sua...  Bem, deixa rolar para ver onde vai parar.