Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

LAMA ASFÁLTICA

Quadrilha apelidou propina de "cafezinho", "coisinha" e até "ingressos de circo"

Em escutas telefônicas, PF identificou palavras usadas para camuflar acordos

24 JUL 15 - 00h:00DA REDAÇÃO

A organização criminosa supostamente chefiada pelo empreiteiro João Amorim, dono da Proteco Construções, empreendimento que mais vence licitações públicas em Mato Grosso do Sul, quando convocava reuniões para eventuais acertos financeiros, segundo a Polícia Federal, recorria a expressões como “vem tomar um café comigo”, “preciso te entregar um documento”, “um pacote”, “uma coisinha”, “ingresso de circo”.

Isto é possível notar nos diálogos telefônicos captados por meio de escutas autorizadas pela 5ª Vara Federal, em Campo Grande.

Em um dos diálogos, Elza Cristina, sócia e secretária de Amorim, liga para o deputado estadual Maurício Picarelli, do PMDB. Ela diz que a ligação era feita a pedido de um certo “Doutor Nelson” e combina o encontro, mas o parlamentar manda sua chefe de gabinete, Márcia Regina. Mais tarde, Elza e Regina se encontram no estacionamento da Unimed, no Jardim dos Estados.

De acordo com a investigação da PF, Márcia, a chefe de gabinete de Picarelli, “recebe um pacote com dinheiro dentro”.

Antes de se encontrarem, Elza usou expressões diferentes para entregar o pacote a Márcia. Na primeira ligação, Elza diz a Márcia que o deputado pediu para procurá-la. A chefe de gabinete de Picarelli logo pergunta se era para “entregar os ingressos”.

“Elza confirma que são os ingressos do circo e pergunta se tem algum endereço para que elas se encontrem”, destaca trecho do inquérito da PF.

(*) A reportagem, de Celso Bejarano, está na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Bope e Gaeco prendem três e fecham laboratório de refino de cocaína
JARDIM RADIALISTA

Operação fecha laboratório de refino de cocaína na Capital

Grupo de 167 venezuelanos chega a Mato Grosso do Sul nesta semana
INTERIORIZAÇÃO

Grupo de 167 venezuelanos chega a MS nesta semana

PROJETO

Sem restaurante, refeitório poderá ser construído na Assembleia

Pedido de deputado poderá ser reavaliado
DEBATE

Deputados divergem sobre demarcação de terrras indígenas

STF quer que a responsabilidade volte para a Funai

Mais Lidas