INDENIZAÇÃO

Publicada lei que cobra dos condutores os danos ao patrimônio em acidentes

Postes, pontos de ônibus, placas, semáforos, canteiros e até árvores são amparados pela nova legislação.
21/01/2020 10:01 - RICARDO CAMPOS JR.


 

A lei que obriga os condutores a pagarem pelos bens públicos que forem destruídos em acidentes de trânsito já está valendo. A norma aprovada em dezembro pela Câmara Municipal foi sancionada pelo prefeito Marcos Trad (PSD) e publicada nesta terça-feira (21) em Diário Oficial.

Postes, pontos de ônibus, placas, semáforos, canteiros, barreiras de segurança pré-moldadas, passarelas, viadutos e até árvores estão protegidos pela nova legislação. Dependendo do caso, o acidente pode pesar no bolso do motorista. O reparo na rede de energia elétrica, por exemplo, pode variar entre R$ 500 e R$ 5 mil segundo dados da Energisa.

Essa “indenização” será proporcional ao grau de culpa e aos prejuízos que o cidadão causar à cidade. Por isso, o local deverá ser periciado para que possa ser feito o levantamento dos valores que o infrator terá de bancar.

A Prefeitura deverá notificar o culpado pelo dano, dando a oportunidade para que ele apresente defesa em prazo de 30 dias. Se os argumentos dele não convencerem, terá mais um mês para recolher o valor que cobrirá os danos causados, que poderá ser parcelado.

Quem não pagar a guia de recolhimento vai ter o nome inscrito na dívida ativa.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".