Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

REVIVA CAMPO GRANDE

Projetos para novas etapas do Reviva custarão R$ 1,2 milhão

Quadrilátero central da Avenida Mato Grosso será revitalizado
20/07/2019 08:20 - EDUARDO MIRANDA


 

Dois novos projetos, de novas etapas do programa Reviva Centro, foram divulgados nesta semana pela Prefeitura de Campo Grande. O custo destas novas iniciativas, feitas por escritórios de engenharia e arquitetura e urbanismo, será de R$ 1,28 milhão, financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Um dos projetos prevê a revitalização das vias transversais à Rua 14 de Julho. O objetivo, conforme publicação de ontem da Prefeitura de Campo Grande, é contratar empresa especializada para elaborar projetos executivos de infraestrutura, arquitetura, urbanismo e paisagismo, visando a revitalização da região central. 

O vencedor da seleção foi o Consórcio Campo Grande, que receberá R$ 666 mil para também transformar a paisagem do quadrilátero central, que compreende o espaço entre as avenidas Mato Grosso, Calógeras, Fernando Corrêa da Costa e a Rua Padre João Crippa. 

Conforme informou a assessoria de imprensa do programa Reviva Centro, o próximo passo será a assinatura e publicação do contrato com a empresa que executará as obras e a posterior ordem de serviço para o empreendimento no entorno da Rua 14 de Julho – a primeira via que passa por processo de revitalização.

Além do Consórcio Campo Grande, classificado com nota 10, participaram o Consórcio Viva Campo Grande 2, que obteve nota 9,2, e as empresas MD Brasil Arquitetos, Consórcio Egis Internacional, STCP Engenharia de Projetos, Falcão Bauer, Consórcio LZ, Consórcio Egetra, Geometrica Engenharia, Arquiteto Pedro Taddei e Associados, Geosistemas Engenharia e Planejamento e Consórcio Nippon Koei Latin American-Caribbean Co., do Japão. Todos estes últimos obtiveram notas inferiores a 7,4. 

RUI BARBOSA

Para os projetos executivos de infraestrutura, arquitetura, urbanismo e paisagismo do Corredor Exclusivo de Transporte Coletivo Sul, na Rua Rui Barbosa, a Prefeitura de Campo Grande contratou a empresa Schettini Engenharia Ltda. para a elaboração do projeto. A um custo de R$ 621,2 mil, a iniciativa será bancada pelo BID.  

O objetivo do projeto é fazer com que a Rua Rui Barbosa torne-se a principal via para os ônibus que circulam no sentido sul-norte, em Campo Grande. Para a rota na direção inversa, o sistema ainda conta com a Avenida Calógeras e a Rua 13 de Maio. 

Desde junho do ano passado, quando tiveram início as obras do Reviva Centro na Rua 14 de Julho, as linhas expressas que circulavam nesta via foram todas transferidas para a Rua Rui Barbosa, que já recebia também um grande número de linhas convencionais. 

O objetivo é criar condições para melhorar o caos em que a rua se transformou nos horários de pico. A Schettini Engenharia tem até o dia 7 de dezembro deste ano para concluir o projeto. 

RUA 14 DE JULHO

Atualmente, somente uma das etapas do Reviva Centro tem obras em andamento. Trata-se da revitalização da Rua 14 de Julho, que conta com rebaixamento da iluminação pública e requalificação de toda a paisagem da mais importante via comercial de Campo Grande.

Os trabalhos tiveram início em junho do ano passado e tem conclusão prevista para novembro. O custo da obra é de R$ 49 milhões. A expectativa da Prefeitura de Campo Grande e da Engepar – empreitera que executa os trabalhos – é de que um aditivo seja concedido nos próximos meses.

Felpuda


Em uma das eleições em MS, candidato já oficializado na convenção corria o trecho para conquistar os eleitores. Mal sabia, porém, que time do seu partido e de aliados estava tramando sua derrubada para emplacar substituto que teria mais votos. Por muito pouco, o dito-cujo não foi guilhotinado, conseguindo salvar o pescoço. Agora tudo indica que o mesmo processo estaria em andamento e seria mais fácil, pois a “vítima” desta vez ainda é só pré-candidato. Dizem que a “turma da trairagem” tem know-now no assunto.