Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

LEI HARFOUCHE

Proposta de punir estudantes deve
ir para 'geladeira' na Assembleia

Na semana passada, houve bate-boca na Casa de Leis

4 JUN 17 - 16h:00IZABELA JORNADA

Projeto polêmico que está tramitando na Assembleia Legislativa desde o ano passado, a Lei Harfouche, ficará de ‘molho’ se depender do autor da matéria, deputado estadual Lídio Lopes (PEN). “Não vou pedir para votar na quarta nem na quinta. Vamos esperar a poeira baixar”, disse Lídio. 

Na quarta-feira (31) passada, depois de discussão que resultou em reforço na segurança da Casa de Leis, onde o deputado estadual Pedro Kemp (PT) exaltou-se e chamou para ‘briga’ uma delegada da Polícia Civil, que não foi identificada, porque ela gritou para o petista que ele era "cristofóbico".

O tumulto foi durante sessão de votação do projeto e a matéria foi retirada de pauta a pedido do autor, Lídio Lopes. 

Em uma tentativa de diminuir os ânimos e conseguir a aprovação da proposta, o deputado estadual Beto Pereira (PSDB) pediu para que mudassem o nome do projeto, que foi apresentado como Lei Harfouche. Ele apresentou proposta para que seja retirado o nome do procurador de Justiça, Sérgio Harfouche. O número do projeto de lei é o 219.

Na terça-feira (6) a Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) vai analisar e apresentar relatório do novo nome do projeto. “Não vai mudar nada no conteúdo, vamos apenas refazer a redação e tirar o nome Harfouche”, garantiu Beto.

O projeto já foi discutido em audiências públicas em 2016, esse ano foi aprovado na CCJ do Legislativo e em primeira votação no plenário. 

Na semana passada, no dia da discussão entre Kemp e defensores da matéria, o projeto já seria apreciado em segunda votação. “Se votássemos hoje (31), a lei já estaria pronta para votarmos redação final e ser encaminhada para o Executivo, mas preferimos tirar de pauta devido a polêmica”, disse Lídio.

Após votação na CCJ para a mudança de nome, a matéria poderá ser encaminhada para plenário, mas os deputados sinalizam que vão colocar a proposta na "geladeira". Para que haja a segunda votação, o presidente da Casa, Junior Mochi, precisa colocá-la em pauta, o que não deve acontecer nesta semana.

LONGE DE ACABAR

Os ânimos exaltados por conta da lei não devem ser apaziguados, mesmo com o "gelo" que os deputados pretendem dar na proposta.

O Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública (ACP) marcou para esta segunda-feira (5) assembleia extraordinária para debater o projeto 219/2015.

PROPOSTA

A chamada Lei Harfouche, que já foi aprovada em Campo Grande, autoriza diretores de escolas a punir estudantes por conta de má conduta. Na prática, integrantes da própria rede de ensino poderiam aplicar punições para alunos que cometessem infrações, sem precisar que o caso fosse levado à Polícia Civil ou ao Ministério Público e à Justiça.

Apesar de clamour popular, a proposta entra em choque com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Juristas já advertiram que vão recorrer por entenderem que há inconstitucionalidade em lei que venha a ser criada em âmbito estadual.

 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Em um ano, número de queimadas quase dobram em Campo Grande
MEIO AMBIENTE

Em um ano, número de queimadas quase dobram, aponta comitê

Governo lança em dezembro edital de parceria público-privada com valor de R$ 3,8 bilhões
PRIVATIZAÇÃO

Edital de parceria público-privada será lançado em dezembro com valor de R$ 3,8 bilhões

Saúde alerta para baixa vacinação contra sarampo
ATENÇÃO!

Saúde alerta para baixa vacinação contra sarampo

Professor com quatro empregos usava atestados para dar conta das funções
FOI CONDENADO

Professor usava atestados para dar conta de 4 empregos

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião