Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Projeto de lei prevê passar a conta
de taxas cartorárias para consumidores

Associação Comercial teme dificuldade na retomada de crédito

27 SET 18 - 13h:17IZABELA JORNADA

Primeiro-secretário da Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG), Roberto Oshiro, em nome de comerciantes, foi até a Assembleia Legislativa para tentar barrar projeto de lei que prevê transferir o pagamento das custas processais de protestos de dívidas aos consumidores. “Isso é uma pegadinha, parece ser bom para os comerciantes, mas não é. Se o cliente já não tem condições de pagar a dívida e acabou sendo protestado, ele não vai ter condições de pagar todas as taxas da negativação”, declarou Oshiro.

Na lei vigente, quando o cliente não paga dívida, ele pode ser protestado pelo comerciantes, porém as custas desse protesto são pagas pelo empresário e não pelo cliente. O cliente precisa pagar apenas pela retirada do protesto e não pelo ingresso. Mas na proposta do deputado Beto Pereira (PSDB), o cliente passaria a pagar tanto as taxas de ingresso e de retirada do protesto. “Isso só beneficia os cartórios, parece ser bom para o empresário mas, não é. O empresário quer cliente ativo e essa proposta dificulta isso”, explicou Oshiro.

A matéria foi apresentada para ser votada em primeira discussão na semana passada, mas o deputado Paulo Siufi (MDB) pediu vistas. O texto foi rejeitado pela maioria na Comissão de Constituição Justiça e Redação (CCJR), mas como teve o voto favorável do deputado Enelvo Feline (PSDB), mesmo partido do autor da proposta, Pereira, o projeto foi encaminhado para plenário. 

A matéria foi apresentada por Pereira no dia 26/06 deste ano e entrou na pauta na última terça-feira (18). “Iam votar no afogadilho esse projeto, ainda bem que pediram vistas, vamos ficar vigilantes”, disse Oshiro.

O representante da associação comercial reforçou a intenção “obscura” da proposta. Ele explicou que se a matéria for aprovada, os comerciantes vão querer protestar tudo que tiverem, porque hoje o empresário não protesta valores baixos, devido ao custo, mas com a aprovação dessa proposta, qualquer valor será protestado sem custos e o cliente, necessitado de ter o nome limpo, vai acabar pagando as duas taxas, beneficiando apenas os cartórios. “Dane-se os devedores? Não é assim, a maioria não paga porque perdeu emprego e muitos são protestados pela primeira vez”, declarou Oshiro.

A tramitação da matéria está parada e Siufi disse que vai aguardar Beto Pereira pedir a apreciação do projeto em plenário. "Vamos ver no que vai dar", finalizou o emedebista.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Juvêncio deixa legado de obras e serviços na Capital
EX-PREFEITO

Juvêncio deixa legado de obras e serviços na Capital

Governador decreta luto oficial de três dias por morte de Juvêncio
EX-PREFEITO DA CAPITAL

Governador decreta luto oficial de três dias por morte de Juvêncio

Aeroporto da Capital já transportou 3,5 mil toneladas em 2019
HUB DE CARGAS

Aeroporto da Capital já transportou 3,5 mil toneladas em 2019

Inscrições para cursos gratuitos de língua estrangeira começam nesta segunda
PROCESSO SELETIVO

Inscrições para cursos gratuitos começam nesta segunda

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião